Review: “The World’s a Little Blurry”, documentário de Billie Eilish

O documentário foi filmado durante 3 anos pelo diretor R.J Cutler e mostra inúmeros momentos de intimidade e vulnerabilidade da artista

Por em 3 de março de 2021

O esperado “The World’s a Little Blurry“, da cantora Billie Eilish, foi lançado na sexta (26) pela Apple TV+ e nas salas de cinema em todo o mundo.

Por Paula Pratini

O documentário foi filmado durante 3 anos pelo diretor R.J Cutler e mostra inúmeros momentos de intimidade e, acima de tudo, vulnerabilidade de uma adolescente sensível como qualquer garota na puberdade.

Foto: Divulgação

Maggie Baird, mãe de Billie, comenta em dado momento do filme a dificuldade em ser adolescente nos dias atuais: “Não ė fácil ser adolescente e viver no mundo hoje em dia. Os jovens estão verdadeiramente deprimidos preocupados com problemas ambientais, racismo e abuso de drogas.”

Ganhadora de 5 Grammys Awards, incluindo “Álbum do Ano” e “Melhor Música” por “bad guy“, Eilish acumula bilhões de streamings no Spotify, inúmeros hits e mais de 70 milhões de seguidores no Instagram. 

Seu estilo musical não chega a ser considerado como pop music e suas letras expressam assuntos que muitas vezes não gostaríamos de abordar, como depressão, relacionamentos abusivos, dor e solidão. “Falo de assuntos que as pessoas tentam evitar e acredito que seja a melhor maneira de expressar o que sinto através das minhas músicas”, disse.

Essa sinceridade e abertura fazem com que a cantora seja considerada uma das grandes promessas atuais em um cenário pasteurizado e superficial da indústria fonográfica. Os fãs se identificam com a veracidade dos sentimentos expressos pela cantora e a tratam com se fossem amigos íntimos.

“Meus fãs são como minha família, uma extensão de mim mesma. Quero dar a eles o mesmo que recebo em amor e respeito”. (Exemplo a seguir por todas as celebridades que esquecem dos fãs no primeiro milhão ou disco de ouro adquiridos).

The World’s a Little Blurry” traz relação de Billie com irmão

Seu sucesso deve-se principalmente pelo apoio e suporte da família, especialmente seu irmão e produtor musical Finneas O’Connel, que é responsável junto a ela pelas criações dos sucessos da cantora. Finneas é conhecido por produzir canções para Selena Gomez, Justin Bieber, entre outros.

Desde criança, os dois irmãos foram incentivados pelos pais a se expressarem livremente e assim a mágica aconteceu. Criados em home school, Finneas e Billie aprenderam a tocar piano, violão, além de compor suas próprias canções em umas ambiente que respirava música.

Foto: Reprodução

Billie tem um caderno de anotações como um diário que contém vários desenhos e anotações de suas músicas. No filme, ela mostra suas ideias incluindo as imagens para o clipe de “When the party is over” e inspirações para coleção de roupas de sua marca Blosh.

Todo mundo sabe que a dupla gravou o disco  “When We All Fall Asleep, Where Do We Go?” no quarto de Finneas, na casa dos pais em Highland Park-Los Angeles e que foram contratados pela Interscope. O premiado disco foi concebido durante os intervalos das turnês em uma sinergia incrível dos irmãos. O processo criativo dos dois é visto nas filmagens caseiras de celular da mãe e mostra, além do trabalho, brincadeiras e gargalhadas entre os dois.

O encontro com o ídolo

Um dos momentos mais bonitos do filme é a relação de Eilish com o cantor Justin Bieber, que ela declara como sendo seu primeiro amor quando ela era uma menina de 12 anos. Justin cantou alguns versos para o remix de “bad guy” e desde então se tornaram amigos. No festival Coachella, em 2019, Billie finalmente conheceu seu ídolo e relembra emocionada.

“Era o show da Ariane Grande e eu estava na frente do palco para assistir a apresentação quando ele apareceu na minha frente. Eu fiquei tão emocionada que chorava e soluçava enquanto ele me abraçava”. Na mesma noite, Justin enviou uma linda mensagem de texto elogiando sua pureza e dedicação.

Documentário traz outros aspectos da vida pessoal de Billie Eilish

Mas nem tudo são flores no documentário que também mostra o relacionamento dela com um namorado na época. Brandon Adams, mais conhecido como Q. Fica claro, em diversos momentos, que ele nunca estava presente e não se dedicava à relação tanto quanto ela.

Sempre sob pressão nas turnês e com inúmeros compromissos, Eilish sofre com a solidão apesar de sempre estar rodeada por milhares de fãs. Sente falta dos amigos e do namorado que praticamente não arranja tempo quando ela está de volta à cidade.

O que dá a entender é que Brandon aparentemente é uma das inspirações da música ‘Xanny’, que trata do abuso de drogas e álcool especificamente. (Xanax é um forte opioide muito usado por jovens nos EUA, incluindo rappers que já morreram de overdose).

Adepta do veganismo, Eilish não bebe, não fuma e muito menos usa drogas. Ela faz parte de uma nova geração que é voltada para as causas sociais e ambientais e teme o futuro no planeta.

Foto: Reprodução

Sendo assim, seus fãs a veem como um exemplo a ser seguido – e não estou falando aqui somente dos jovens. Ela coleciona admiradores de todas as idades, como os famosos Alicia Keys,  Katy Perry, Jennifer Lopez, Dave Grohl (Foo Fighters), Billie Amstrong (Green Day) e os atores Julia Roberts, Leonardo de Caprio e Orlando Bloom (no filme, Bloom se declara fã ardoroso das canções da cantora nos bastidores do Coachella). 

Billie Eilish é sem sombra de dúvida uma das melhores promessas musicais no mercado, com sua criatividade, talento e sua música ecoa por todos os cantos do mundo. Agarre sua pipoca e lencinho e prepare-se para se emocionar.

O filme está disponível na Apple TV+.


Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!