Nicki Minaj fora do Met Gala 2021 por vacina contra covid-19? Entenda

Cantora afirmou que ainda não se vacinou contra a doença

Por em 13 de setembro de 2021

O Met Gala 2021, evento mais importante do mundo da moda, aconteceu na noite desta segunda-feira (13). O jantar, que conta com a presença de diversas celebridades, chamou atenção não só devido ao seu tradicional tapete vermelho, mas também por algumas ausências; dentre elas, a da cantora Nicki Minaj, que afirmou que não tomou a vacina contra a covid-19, o que a impediu de comparecer ao evento.

Em uma de suas publicações no Twitter, a rapper disse que a organização do Met Gala exige o comprovante de vacinação contra a doença, e afirmou que não se vacinará pelo evento, mas sim “quando sentir que fez pesquisa suficiente”, e que está “trabalhando nisso”. Em seguida, Nicki também pediu para que os fãs se protejam e usem máscaras de duas tiras que protegem a cabeça e a face, referindo-se às máscaras N-95.

Leia também: Met Gala 2021: convidados, tema e todas as informações do evento

Foto: Reprodução/Twitter

Veja outros tweets de Nicki Minaj sobre vacina contra covid-19

Na noite desta segunda, a cantora fez uma série de publicações sobre o tema. Em um dos posts, ao ser questionada sobre a vacina não prevenir a doença, mas seus sintomas graves, Nicki afirmou que já contraiu covid-19 e disparou: “Não é verdade. Eu tive exatamente os mesmos sintomas que as pessoas que tomaram a maldita vacina”.

Foto: Reprodução/Twitter

A rapper também compartilhou que contraiu covid-19 enquanto se preparava para o VMA e após gravar um vídeo. “Você sabe o que é não poder beijar ou segurar seu bebezinho por mais de uma semana?”, indagou Nicki sobre os efeitos da doença. Em seguida, ela afirmou que Drake contraiu covid-19 após se vacinar. “Drake me disse que ele pegou covid com a vacina”, disse.

Foto: Reprodução/Twitter

Em outro tweet, Nicki Minaj disse que um primo que mora em Trinidad e Tobago não vai tomar a vacina, porque um amigo dele tomou e “ficou impotente”. “Seus testículos ficaram inchados. Seu amigo estava a semanas de se casar, agora a garota cancelou o casamento”, contou. Depois, a artista pediu para “ter certeza que você está confortável com sua decisão”.

Foto: Reprodução/Twitter

Há pesquisas que comprovam que determinadas vacinas contra a covid-19 não interferem na saúde peniana, ao contrário da própria doença. Em julho deste ano, o professor da faculdade de Medicina da Universidade de Miami, Ranjith Ramasamy, publicou um artigo com os resultados de estudos realizados por ele e sua equipe.

Segundo Ramasamy, cuja equipe analisou testículos de sobreviventes e de falecidos devido à doença, a covid-19 “afeta o pênis”. Por outro lado, de acordo com outra pesquisa liderada pelo professor, as vacinas que usam tecnologia mRNA, como a Pfizer e a Moderna, “parecem seguras para o sistema reprodutor masculino”. Essa conclusão se deu após uma pesquisa feita com 45 voluntários, que receberam duas doses durante o período de acompanhamento.

Apesar das publicações, Nicki disse que “com certeza irá se vacinar” porque terá que viajar à turnê, entre outros motivos. Em resposta a um fã que disse que precisou se vacinar porque “não o deixariam” procurar por um emprego caso contrário, a cantora completou: “Vários países não deixam as pessoas trabalharem sem a vacina. Eu definitivamente as recomendo a tomar a vacina. Elas precisam alimentar suas famílias”.

Foto: Reprodução/Twitter

Nicki Minaj também fez uma enquete perguntando “qual vacina você recomenda”, referindo-se aos fabricantes Pfizer, Moderna, Johnson & Johnson e “outro”.

Foto: Reprodução/Twitter

A vacina previne a covid-19?

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, nenhuma vacina é capaz de prevenir completamente a doença. Porém, a agência afirma que as vacinas são “muito efetivas” e “uma ferramenta fundamental para controlar a pandemia”.

O imunizante também é capaz de diminuir consideravelmente as chances de uma manifestação grave da doença. “Já existem estudos que demonstram reduções de internações, internações em unidades de terapia intensiva e óbitos nas populações vacinadas”, disse o pediatra e infectologista do Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira (IFF/Fiocruz) Marcio Nehab, em entrevista publicada no site do IFF/Fiocruz.

Ainda segundo Nehab, não há uma vacina “melhor” ou “mais recomendada” do que a outra, e que o cidadão deve tomar a vacina que for oferecida, respeitando as normas do Programa Nacional de Imunização (PNI). “As vacinas contra a Covid-19 passaram por estudos clínicos rigorosos em muitos países para verificar sua segurança e eficácia. Todos os imunizantes contra a Covid-19, disponíveis no Brasil, reduzem internações em unidades de tratamento intensivo e mortes”, afirmou. “No futuro, quando houver vacinas disponíveis para todos e em fartura, e toda população já imunizada, aí sim você terá o direito de comprar a que preferir. Afinal, cabe ao Programa Nacional de Imunizações (PNI) decidir quem deve tomar qual vacina e porquê e de forma gratuita e justa”, completou o médico.

Nicki Minaj. Foto: Reprodução/Instagram

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!