Catfish and The Bottlemen inova com clipe de “Conversation”; assista

Apesar do pouco alarde com o lançamento de seu álbum “The Balance” em abril, Catfish and […]

Por em 17 de julho de 2019

Apesar do pouco alarde com o lançamento de seu álbum “The Balance” em abril, Catfish and The Bottlemen ainda aposta em singles. Nessa semana, foi a vez do seu último, “Conversation“, ganhar um clipe.

Leia também: Novo álbum do Catfish and The Bottlemen é mais do mesmo. Isso é ruim?

O clipe foi dirigido pela Trunk Animation, produtora também responsável pela animação de “Glass Onions” dos Beatles no ano passado. Ele conta com fotografias, pequenos vídeos e até animações feitas com fotografias da banda em shows e em turnê.

O vídeo se destaca por quebrar com clipes passados que são apenas em preto e branco, algo bem padrão. Assista abaixo:

Catfish and The Bottlemen

Catfish and The Bottlemen é uma banda de indie rock britânica formada em 2007. Tem como integrantes Van McCann, Benji Blakeway, Bob Hall e Johnny Bondy.

Seu primeiro álbum foi o “The Balcony”, lançado em 2014, assinados com a gravadora Island Records. Nele, havia sua primeira música de sucesso “Kathleen”, que chamou atenção da MTV e da tradicional Radio 1 da BBC. Na terceira semana após se lançamento, o álbum ficou entre os 10 mais vendidos do Reino Unido.

Com tremendo sucesso pelo Reino Unido, em 2015 eles estrearam pelos Estados Unidos com o lançamento do “The Balcony”. Estrearam da melhor forma: com uma apresentação no Late Show com o David Letterman.

Na sequência, lançaram o “The Ride” em 2016, seu segundo álbum. Na primeira semana após seu lançamento, a banda chegou à primeira colocação dos álbuns mais vendidos do Reino Unido. Foi com ele também que a banda se apresentou no Brasil em 2017, quando fez um show no Lollapalooza São Paulo. Um show que não estava entre os headliners, mas que foi bastante elogiado.

Em 2019 começaram sua nova era. Em janeiro, foi lançado o primeiro single, “Long Shot”, do “The Balance”, que foi finalmente lançado em abril.

De 2014 para cá, sua musicalidade quase não sofreu alterações, além de sua própria estética. Sempre com guitarras marcadas e comunicação visual preto e branco tradicionais, não significa de longe que isso seja algo ruim.


Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!