O que “Rude Boy”, “Irreplaceable” e “Worth It” têm em comum? Todas essas – e mais algumas – foram produzidas pelo duo Stargate. Tor Erik Hermansen e Mikkel Storleer Eriksen, são os produtores noruegueses responsáveis por grandes hits de Rihanna, Beyoncé, Selena Gomez, Katy Perry, Coldplay e muuuitos outros. Em uma entrevista para a Entretainment, eles contaram os bastidores de algumas músicas famosas. Confira as traduções abaixo:

“So Sick” – Ne-Yo

Eriksen: Nosso empresário havia falado sobre ele para nós anteriormente, mas o encontro foi por acaso. Ele estava trabalhando no mesmo estúdio da Sony que nós e o CD player não funcionou, então ele pediu para usar o nosso estúdio para a reunião dele. Nós tivemos a oportunidade de tocar algumas das nossas músicas. Ele disse depois que não podia acreditar que esses dois caras brancos estavam fazendo uma música tão sensual.

Hermansen: Quando trabalhamos com a Ne-Yo, sabíamos que era a nossa oportunidade de ver se tínhamos o que é preciso. Nós tocamos esta faixa, e ele adorou, mas seus empresários queriam que ele fizesse um álbum totalmente diferente. Eles insistiram que parássemos o que estávamos fazendo e tentássemos outra coisa. Relutantemente, nós fomos e fizemos outra música, mas no final da noite, nós falamos: “Vamos voltar para a primeira ideia!” Quando Ne-Yo terminou a letra e nos cantou sua ideia vocal, nós sabíamos que tínhamos algo especial. Naquela noite, peguei um táxi para casa às 2 da manhã e acordei minha esposa: “Nós fizemos isso! Já escrevemos nossa melhor música!”

Eriksen: Tornou-se uma festa depois. A gravadora veio, e eles chamaram mais pessoas: “Você tem que descer e ouvir esse disco!”

Hermansen: Nós tínhamos 40 pessoas na sala até o final da noite.

“Irreplaceable” – Beyoncé

Hermansen: A semente dessa música veio do Jay Brown, um dos nossos primeiros empresários. Ele disse: “Eu acho que vocês deveriam fazer uma música que tenha violão e hip-hop”. Isso é tudo o que ele disse. Nós não tínhamos ideia do que fazer com a música porque era tão diferente, mas Beyoncé ouviu e disse que queria cortá-la. Nós ouvimos que a música não estaria em seu álbum porque não se encaixava, mas quatro horas depois a gravadora nos ligou de volta e disse: “Na verdade, não só vai fazer o álbum, vai ser o terceiro single!” Ela nos fez mudar algumas coisas para tornar mais atual: o arranjo, alguns dos sons de bateria.

Eriksen: Nós gravamos com ela e saímos com ela no estúdio algumas vezes. Ela é a melhor. Ela tira os sapatos e se deita no sofá e é muito prática quando se trata de seus próprios vocais.

Hermansen: Ela também é tão bonita que você não consegue olhar diretamente para ela. Você tem que olhar para a esquerda dela ou algo assim para você não se distrair. Ela é apenas magnética e, na verdade, a mais humilde. Nunca há drama algum. Ela sempre termina suas coisas. Muitas pessoas gostam de derrubar idéias e terminá-las depois. Eu acho que porque ela é tão ocupada, ela sempre termina coisas no local – cantando o último refrão, fazendo o último improviso, jogando as harmonias extras. Ela nunca deixa nada pela metade.

“Don’t Stop The Music” – Rihanna

Hermansen: Foi um disco seminal no sentido de que, antes dessa música e de “SexyBack” de Justin Timberlake, a dance music era basicamente inexistente no pop americano. As pessoas sempre diziam: “Esse padrão de bateria não funciona nos Estados Unidos, não vai funcionar no rádio.” E até aquele momento, eles tinham razão. Mas para essa música em particular, que começou com a amostra “mama-say mama-sah” que Michael Jackson usou em “Wanna Be Startin’ Somethin’”, foi a coisa certa a fazer. Essa foi a nossa primeira vez fazendo uma batida de dance, mas tentamos manter a melodia soulful e a linha de baixo funky e não muito fria e techno-y.

Eriksen: Antes de conhecê-la, antes mesmo de vermos uma foto dela, poderíamos dizer que Rihanna ia crescer apenas ouvindo sua voz em “Pon de Replay”. Nós apenas sabíamos, “Temos que trabalhar com essa garota! ” Há algo muito especial em sua voz. Eu lembro que quando terminamos “Don’t Stop The Music”, ficamos tipo, “Oh meu Deus, esse deve ser o primeiro single! Esta é a melhor coisa de todas!” E então saindo do estúdio próximo a nós estava “Umbrella” e quando ouvimos isso, ficamos tipo “Oh Deus, não!”

Hermansen: Ela era a mesma pessoa que ela é agora. Ela sempre foi real. Ela é sempre generosa. Ela se lembra das pessoas. Ela abraça as pessoas. Ela é apenas uma garota normal que acontece de ser uma superstar.

“Rude Boy” – Rihanna

Hermansen: Esta foi provavelmente a primeira sessão que fizemos com Ester Dean. Rihanna veio com o título – ela disse que queria fazer uma música chamada “Rude Boy” e deu essa ideia para Ester. Nós fizemos essa batida com um cara chamado Rob Swire, que costumava estar no grupo eletrônico Pendulum. Isso foi quando começamos a experimentar com a combinação de sons de trance EDM e batidas de hip-hop mais lentas. “Rude Boy” foi um dos primeiros exemplos desses sons se unindo. Rihanna saiu por uma ou duas horas, voltou, e então quando nós tocamos para ela, ela ficou impressionada: “Vocês fizeram isso?” Ela foi quem realmente lutou por essa música e soube o que era. Eu não acho que nem nós sabíamos o que era.

Eriksen: Nós não acreditamos que seria a maior música do álbum. Nós apenas gostamos disso. Nós pensamos que era uma música quente.

Hermansen: Existem algumas faixas em que todos acreditam, tipo, “Oh, esse é um grande single!” Mas ninguém falou sobre “Rude Boy” até o álbum sair. Nós estávamos preocupados que “Rude Boy” não iria fazer parte, mas para o crédito de Rihanna, ela era a única que queria mantê-lo.

“Firework” – Katy Perry

Hermansen: Katy basicamente sentou-se e escreveu o top line dessa música junto com Ester Dean em um curto período de tempo. No final da noite, ela disse: “Vamos gravar a música amanhã”, e dissemos: “Não, não, não, não podemos simplesmente fazer uma demo hoje à noite, só para termos algo para ouvir?” Em 10 minutos ela cantou a música duas ou três vezes, e nós juntamos os vocais. Eu diria que 95% do que você ouve no disco final é daquela demo. Ela tocou para nós algumas das outras músicas que estava fazendo, como “California Gurls”, e eles eram obviamente grandes sucessos. Mas também sabíamos que ela era uma cantora melhor do que muita gente pensava na época e queríamos destacar isso. Uma das coisas que dissemos a ela foi: “Nós não vamos fazer nenhuma harmonia, não vamos fazer nenhum vocal extravagante, só vai ser você cantando cru”. Eu acho que é uma das melhores performances, porque ela não estava pensando, ela não estava tentando ser perfeita, era apenas do coração. Ela realmente assumiu a liderança em escrever essa música.

Eriksen: Ela é uma ótima compositora.

Hermansen: Não fazíamos ideia de que se tornaria quando ela o escreveu. Eu gosto que é sobre ser você mesmo. Muitas vezes você acaba escrevendo sobre relacionamentos, mas isso tem uma mensagem inspiradora. E o vídeo é brilhante, destacando pessoas de diferentes raças e diferentes sexualidades. Foi um ótimo momento para fazer parte. Na verdade, eu fui há alguns meses para a escola do meu filho, eles fizeram essas reuniões de sexta-feira e cantaram a música. Isso ainda significa muito para as pessoas que provavelmente nem nasceram quando a música saiu.

Eriksen: Isso é o que faz tudo valer a pena. Você sabe que teve sucesso quando pode criar algo que passa a viver sua própria vida e realmente significar algo para alguém.

“Only Girl (In The World)” – Rihanna

Hermansen: Tivemos uma reunião com L.A. Reid, que disse: “Ok, o Rated R foi ótimo, mas agora está de volta aos bons tempos”. Essas foram suas palavras exatas. Então, nós falamos, “Ok, vamos fazer bons momentos!” Nós escrevemos essa música com Crystal Nicole e Sandy Vee. Rihanna entrou e disse: “Eu quero essa música”.

Eriksen: Sim, imediatamente. Acho que ela até disse: “Oh, esse é meu primeiro single”.

Hermansen: E então, alguns dias depois, Katy Perry estava na sala e ouviu e disse: “Eu quero essa música”. Sabíamos apenas por essas duas reações que tínhamos algo especial, mas obviamente era uma música da Rihanna primeiro, então ela entendeu. Foi o processo mais fácil de sempre com essa música porque foi breve. Rihanna gravou a música e soltou super-rápido. Eu acho que o segredo para isso é a declaração que faz no refrão. Isso é o mais próximo de um momento de diva que você conseguirá. É moderno em seu som, mas tem aquele momento clássico de diva, onde ela realmente canta. Você não recebe muitas dessas músicas.

Eriksen: Ela arrasou. E para não ser muito técnico, mas o que torna a música um pouco diferente é a mudança de tom: o verso está em um tom e, em seguida, entra em um tom diferente no refrão. Isso não é uma coisa comum na dance music ou na música pop em geral.

“Diamonds” – Rihanna

Hermansen: Nós tínhamos trabalhado com Benny Blanco em várias músicas da Rihanna, tentando chegar a esses discos grandes, uptempo e dance-pop. Durante os últimos dois dias, falamos: “Vamos fazer algo completamente diferente – ritmo diferente, tudo diferente”. Foi assim que a faixa começou. Sia veio e trabalhou em algumas músicas diferentes, e a última coisa que ela fez antes de sair foi “Diamonds”. O carro estava esperando do lado de fora. Ela estava com o casaco, ela tinha a bolsa no colo. Nós apenas tocamos a música para ela, e a primeira coisa que saiu de sua boca foi: “Shine bright like a diamond”. Ela colocou seu vocal em cerca de 12 minutos enquanto o carro estava esperando e depois foi embora.

Eriksen: Esses são os melhores – os espontâneos em que você não pensa demais.

Hermansen: Rihanna ouviu e amou imediatamente. Rihanna realmente foi trabalhar nessa música porque ela queria capturar o personagem que Sia tem em sua voz. Eu acho que ela passou dois ou três dias gravando essa música, o que é muito raro. Normalmente você faz isso em um dia ou meio dia. Foi muito importante para ela captar essa sensação, e ela fez isso tão bem que Sia achou que era sua própria voz na música. Eu acho que Mikkel abriu a música para provar a Sia que era Rihanna cantando.

“Same Old Love” – Selena Gomez

Eriksen: O ponto de partida foi uma faixa totalmente diferente. Era mais acelerado e tinha riffs de guitarra indie nele. Isso realmente atraiu a Charli XCX. Ela pulou e escreveu a música. Então, numa fase posterior, nós refizemos totalmente a pista e acabamos de deixar o vocal a capella. Nós fomos em uma direção diferente com um riff de piano peculiar e a bateria ao vivo, e essa é a versão que nós lançamos para a Selena.

Hermansen: Alguns dos vocais de Charli ainda estão lá.

Eriksen: Há uma pequena parte “Oh-oh-oh-oh” que Charli tem ao fundo. Fiquei impressionado que Selena conseguiu fazer o seu próprio. Poucas pessoas conseguem cantar uma música de Charli e soam bem.

Hermansen: Você pode dizer pela música de Selena que seu gosto está evoluindo, que ela está se encontrando. Ela está ficando melhor e melhor. Com certos artistas, o primeiro álbum deles é incrível, e então eles perdem o enredo. Mas com a Selena, foi o contrário. Como ela cresceu fora da Disney, sua música ficou melhor e mais sofisticada. Ela tem algo que muitas pessoas não têm, o que é uma característica em sua voz. Quando ela canta, você pode ouvir instantaneamente que é ela. E agora ela está descobrindo aquele ponto ideal em que está confortável com sua própria voz e não tem medo de cantar mais. Eu acho que ela tem sido um pouco auto-consciente, porque ela não é um desses grandes ladrões. Mas ela tem algo muito especial, e esse é o tom dela.

“Adventures Of A Lifetime” – Coldplay

Hermansen: Comparamos o trabalho com uma banda ao vôo – é a diferença entre um Jumbo Jet 747 e dois jatos de combate, que é o que estávamos acostumados. Quando você está trabalhando com uma banda da magnitude do Coldplay, com quatro pessoas diferentes, é um processo totalmente diferente. Chris Martin, na verdade, nos perguntou muito cedo: “Vocês estão aí para o longo prazo?” E foi um longo caminho, mas também foi uma das coisas mais gratificantes de que participamos.

Eriksen: Foi muito refrescante fazer algo em um gênero diferente. Os caras são tão talentosos, e as composições de Chris estão em outro nível. A maneira como trabalhamos também era muito interessante, porque sempre teríamos duas salas funcionando ao mesmo tempo. O guitarrista Jonny colocava uma ideia de guitarra em um estúdio enquanto trabalhávamos na batida em outro, e então nós trocávamos e íamos e voltávamos.

Hermansen: Quando eles cantaram a música no Super Bowl, foi divertido, mas também foi tipo, “Uau, isso é realmente o lugar onde os sonhos se tornam realidade”. Realmente fez por nós. Para vir para a América como imigrantes por causa do nosso amor pela música americana, e depois não apenas para fazê-lo, mas para ver a nossa música realizada no maior palco da cultura americana? É muito gratificante em um nível profundo e profundo.

“Worth It” – Fifth Harmony

Hermansen: A gravadora do Fifth Harmony veio até nós e nos pediu para trabalhar com elas. Nós vimos algo no grupo que não tinha sido necessariamente revelado ainda, que era o fato de que essas garotas gostavam do hip-hop e de músicas urban. As músicas que elas lançaram não refletiam suas personalidades, então isso realmente despertou nossa visão de escrever para elas. Essa música em particular começou com um riff de saxofone de um cara chamado Ori Kaplan do grupo Balkan Beat Box, que toca música do leste europeu de uma forma muito original. Nós construímos uma batida em torno deste riff de saxofone, e uma vez que tivemos isso, dissemos: “Ok, nós temos algum tipo de capela que poderia se encaixar?” Era quase como o que você faria se fosse um DJ tentando fazer um mashup. A melodia e as letras eram de uma música antiga que tínhamos, e funcionou logo no ritmo. Priscilla Renea nem se lembrava da faixa original. Nós tivemos que dizer a ela: “Lembre-se dessa música que você escreveu há um ano ou dois atrás?”

Eriksen: Foi a mesma coisa com o rap do Kid Ink. Foi algo que já tivemos e depois montamos juntos. Esse é um processo muito diferente para nós. Mas essa também é uma maneira muito legal de fazer isso, porque se eles tivessem começado com a batida, talvez eles não tivessem escrito esse verso de rap ou aquele refrão.

Hermansen: Em termos de encaixar as pessoas e encontrar partes, estamos muito confortáveis ​​em dar a todas espaço para cantar. Nosso único objetivo é que todas brilhem. Nós não temos nenhuma preferência como: “Essa pessoa deve sempre cantar o refrão”. Nós apenas as deixamos cantar.

Eriksen: Às vezes nós gravamos partes com vários cantores e depois decidimos quem soa melhor em cada parte. Mas à medida que você as conhece, você também conhece suas vozes, e então pode mais facilmente dizer: “Oh, Camila soaria ótima nessa parte”. Você sabe exatamente qual garota soaria melhor em cada parte.

Hermansen: Houve outra música, “Talk Dirty”, de Jason Derulo, que saiu antes de “Worth It”, que também tinha um riff de saxofone. Você tem que lembrar, uma música que sai, normalmente é criada alguns meses antes – ou às vezes até alguns anos antes. Às vezes, por acaso, você tem ideias parecidas.

Comentários

Mais lidas
Alguns direitos reservados / 2013 - 2017.
Desenvolvido por Lucas Mantoani.