Eles estão de volta! Três anos desde o lançamento do seu último álbum, California, o Blink-182 voltou nesta sexta-feira (20/09) com o seu novo trabalho. Dessa vez, a banda lançou o seu mais recente disco, Nine.

O álbum conta com 15 faixas, sendo que eles já haviam liberado cinco delas anteriormente. São elas: “I Really Wish I Hated You”, “Darkside”, “Happy Days”, “Generational Divide” e “Blame It On My Youth”.

Em entrevista ao NME, Mark Hoppus, o baixista do Blink-182, comentou um pouco sobre o novo álbum. Ele o descreveu como mais “agressivo e experimental” que o último disco, California.

“É mais sombrio no tema e no som. Se você gosta do ‘California’ ao ‘Enema Of The State’, esse álbum é mais como o disco sem título, onde estamos tentando experimentar mais, tentando sons diferentes e tentando expandir o que as pessoas pensam do Blink-182”.

Ouça o Nine a seguir:

Blink-182 em turnê

Atualmente o Blink-182 está em turnê pelos Estados Unidos em comemoração aos 20 anos do álbum Enema Of The State! Alguns dos convidados que tocam na turnê são o rapper Lil Wayne e a banda galesa Neck Deep.

A setlist conta com todas as faixas do álbum, que incluem grandes clássicos como “All The Small Things” e “What’s My Age Again”.

Logo depois de um show da turnê no Riot Fest, em Chicago, Mark Hoppus fez um post todo especial no seu Instagram, declarando o seu amor pela música. Confira a tradução:

Ver essa foto no Instagram

Something I’ve been thinking forever but needed to put into words tonight.

Uma publicação compartilhada por Mark Hoppus (@markhoppus) em

“O poder da música, e especialmente da música ao vivo. Esses shows. Os momentos que dividimos em uma casa de shows juntos. A banda e o público. Palavras que escrevemos em uma garagem ou no estúdio ou uma ideia rascunhada no meio da noite, ou escrita nas profundezas do auto-questionamento e desespero. O ato de cantar músicas e ter essas músicas cantadas de volta para nós. Uma experiência compartilhada entre todo mundo. É incrível ver vocês sorrindo e rindo. Várias vezes nessa turnê eu fiquei de olho durante ‘Adam’s Song’ e vi pessoas chorando e se abraçando com seus amigos ou parceiros. Talvez lembrando de um amigo ou ente querido perdido, ou de um tempo difícil na vida de alguém. Ter uma música que reúne estranhos para celebrar, para lamentar, para lembrar. É incrível e honroso e significa o mundo pra mim. Vocês todos significam o mundo pra mim. Obrigado”.

Comentários

Mais lidas
Alguns direitos reservados / 2013 - 2017.
Desenvolvido por Lucas Mantoani.