As ideias da nova turnê do Coldplay e o futuro sustentável dos shows

A banda apresentou um plano de sustentabilidade para a sua turnê, propondo medidas em prol do meio ambiente que podem servir como um modelo dentro do show business

Por em 21 de outubro de 2021

Em novembro de 2019, Chris Martin, vocalista do Coldplay, declarou em uma entrevista à BBC que suspenderia os shows internacionais ao lado da banda para “entender como as turnês poderiam ser não apenas sustentáveis, mas também ativamente benéficas”. Nos meses seguintes, enquanto o show business se movimentava no ambiente online durante a pandemia, o grupo trabalhou para encontrar novos meios de tornar suas apresentações mais sustentáveis.

A preocupação não é recente: o cantor é um dos embaixadores do Global Citizen, movimento que procura combater a pobreza e a miséria pelo planeta, há anos e colabora na busca por soluções para diminuir o impacto ambiental nos últimos anos junto à organização, repensando não apenas as logísticas de seu trabalho, mas também a sua influência como artista para chamar atenção à causa ambiental.

Na semana passada, o quarteto britânico anunciou seu retorno aos grandes palcos com a “Music Of The Spheres World Tour”, turnê que tem início em 2022 e passará por países de todo o mundo — inclusive o Brasil, com uma apresentação agendada para o Rock In Rio no dia 10 de setembro. Além das datas, a banda divulgou várias medidas voltadas para a sustentabilidade de seus shows, o que pode indicar um futuro cada vez mais renovável para a música.

O Tracklist listou algumas das ações que o Coldplay propõe para os seus shows a partir do ano que vem e que, a depender de seu êxito, podem ter um grande impacto nas formas de um artista se apresentar e servir até mesmo como um modelo para os próximos anos.


Uma turnê sustentável do Coldplay

Em um comunicado divulgado em seu site oficial, o Coldplay falou não só sobre a alegria de retornar aos palcos, mas também a importância de encontrar maneiras sustentáveis de se apresentar em 2022. “Planejamos essa turnê por anos, e estamos super animados em tocar músicas de todo o nosso tempo juntos”, declarou o grupo. 

“Ao mesmo tempo, estamos muito conscientes que o planeta está enfrentando uma crise climática. Então nós passamos os últimos dois anos consultando especialistas no meio ambiente para tornar essa turnê a mais sustentável possível, e, tão importante quanto, aproveitar o potencial da turnê para levar as coisas para frente. Não vamos acertar em tudo, mas estamos dispostos a fazer tudo que podemos e compartilhar o que aprendemos. É um trabalho em progresso e estamos realmente gratos pela ajuda que tivemos até agora.”

A banda desenvolveu um plano completo de sustentabilidade para a turnê, abrangendo questões desde os detalhes técnicos da realização dos shows até o transporte da equipe, com o intuito de trabalhar para reduzir as emissões de carbono em todas as etapas da apresentação a partir de três grandes objetivos: reduzir, reinventar e restaurar.

Cada proposta apresentada pelo grupo é pensada em torno desses três princípios, propondo alternativas sustentáveis para várias áreas que envolvem as turnês, como as fontes de energia, as viagens, a alimentação, a montagem dos palcos e a participação dos fãs. A principal ideia do grupo é não só adotar medidas benéficas para o meio ambiente, mas também incentivar o público a se envolver nas ações.


Redução da emissão de carbono

A principal meta do plano de sustentabilidade é reduzir a emissão de dióxido de carbono (CO2) de todos os shows pela metade em comparação à última turnê da banda, realizada entre 2016 e 2017. Todas as operações dos shows serão readaptadas para minimizar ao máximo as emissões em cada etapa da logística, evitando combustíveis fósseis e usando energia limpa e materiais que sejam sustentáveis sempre que possível, ao mesmo tempo que o grupo continuará a medir o impacto climático de suas operações.

As localidades da turnê foram organizadas de maneira a reduzir as viagens aéreas, embora ainda tenham lugares que a equipe deverá se locomover de avião. O quarteto afirma que, quando possível, usará veículos elétricos ou transportes com biocombustível; quando for necessário viajar de avião, o grupo disse que pagará uma taxa adicional para usar combustível de aviação sustentável (SAF, na sigla em inglês), feito de resíduos renováveis e com capacidade de reduzir as emissões de viagens aéreas em até 80% no decorrer de sua vida útil.

A banda admite, entretanto, que apesar dos melhores esforços, os shows inevitavelmente terão um impacto significativo. Por isso, o segundo principal objetivo da turnê seria reduzir uma quantidade de CO2 maior do que a que os shows produzem apoiando e financiando diversos projetos ambientais, relacionados ao reflorestamento, à conservação da natureza, à limpeza dos oceanos e à proteção da vida selvagem.

Para cada ingresso vendido, o Coldplay também se propõe a plantar uma árvore em localizações selecionadas pela equipe, como parte do projeto “One Tree Planted” em parceria com outros programas de reflorestamento pelo mundo — incluindo o Raízes do Mogi Guaçu, criado pela WWF Brasil no Rio Mogi Guaçu, na Mata Atlântica.


Novas alternativas para a energia dos shows

Uma apresentação com tantos efeitos pirotécnicos e visuais como a do Coldplay certamente demanda um grande gasto de energia elétrica, mas o grupo tem trabalhado em alternativas dentro de seus próprios shows, aproveitando-se dos estádios e também da audiência.

A equipe instalará painéis solares no palco, nos arredores e no piso dos estádios antes da entrada do público, de forma a guardá-la para usá-la próximo ao horário da apresentação. Além disso, a banda também afirmou que, quando possível, obterá 100% da energia por meio de fontes renováveis (o que justifica o início da turnê ser na Costa Rica, país onde 99% da energia elétrica é renovável) e abastecerá os transportes da equipe com HVO, combustível renovável conhecido como “diesel verde” que, quando consumido, é capaz de quase zerar a emissão de dióxido de carbono.

O grupo tem planos para prover eletricidade durante os shows. Logo após a entrada do público, a equipe instalará um piso cinético sobre o solo dos estádios para captar os movimentos da audiência ao longo das apresentações, convertendo-os em energia que será utilizada para abastecer o palco. A banda também anunciou que desenvolveu uma bateria móvel e recarregável em parceria com a BMW, usando componentes de baterias recicláveis BMW i3 para abastecer os shows a partir de energia renovável e as realimentando ao final de cada noite.

O quarteto tem ideias para mitigar o impacto ambiental em relação à montagem dos palcos e os preparativos dos shows. No plano, a banda afirmou que os palcos serão construídos de materiais reusáveis (como bambu e aço reciclado) que possam ser reaproveitados ao longo da turnê, enquanto as telas LED, os sistemas de som, de laser e de iluminação serão substituídas por equipamentos que reduzam em até 50% o consumo de energia. Os confetes serão 100% biodegradáveis e as pulseiras LED, uma tradição das apresentações do Coldplay, serão produzidas de materiais vegetais totalmente compostáveis, e os componentes eletrônicos reutilizados nos próximos anos.

Foto: Divulgação


Por fim, as logísticas por trás da alimentação e das vendas da “Music Of The Spheres World Tour” também foram repensadas. A banda disponibilizará água gratuitamente nos shows em copos reusáveis de alumínio, deixando de lado as garrafas de plástico e incentivando os fãs a levarem garrafas reutilizáveis. Já os alimentos à venda serão providos por fornecedores locais ou fazendas que trabalhem com agricultura regenerativa; os cardápios terão opções vegetais e veganas como padrão, e todo o lixo orgânico proveniente da alimentação será compostado sempre que possível.

Todos os produtos comerciais da turnê, como roupas e acessórios, serão feitos de material sustentável e livre de plástico. O grupo também exigirá aos vendedores que provem seu compromisso ético, incluindo salários justos entre os funcionários e boas condições de trabalho.

A turnê de 2022 servirá como uma base para o Coldplay avaliar as medidas, visando melhorá-las para os próximos anos e incentivando outros artistas a adotarem o mesmo protocolo em suas apresentações. Tendo em vista que shows de música ao vivo podem ter um impacto significativo no meio ambiente, o plano de sustentabilidade para a banda pode ser um modelo a ser seguido e aperfeiçoado no show business diante do momento de urgência que o planeta vive.


Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!