28 de junho ficou conhecido como o Dia do Orgulho LGBTQ+, após um episódio ocorrido em Nova York, em 1969. Frequentadores do bar Stonewall Inn reagiram a uma batida policial no local, que era realizada com frequência.

A manifestação durou dois dias, se espalhando por outros pontos da cidade. No ano seguinte ao ocorrido, foi criado a primeira parada do orgulho LGBTQ+, que, atualmente, é realizada em diversas cidades pelo mundo. A data, assim como o mês inteiro, tem como objetivo lutar contra a homofobia e a favor dos direitos LGBTQ+.

Ao longo dos anos, diversos artistas se declararam homossexuais ou bissexuais, ou apenas defendem a bandeira LGBTQ+. Alguns deles retrataram essas questões em músicas ou clipes. Confira alguns vídeos LGBTQ+ que foram lançados em 2018:

“What I Need” – Hayley Kiyoko feat. Kehlani

Assumidamente lésbica, Hayley Kiyoko se juntou à Kehlani para “What I Need”. Assim como todo o álbum Expectations, que retrata histórias vividas pela cantora, o clipe mostra Kehlani fugindo de casa junto com Hayley e as duas acabam vivendo um romance.

“Bloom” – Troye Sivan

O single que leva o nome do segundo álbum do cantor, fala sobre a primeira vez de um gay passivo. O clipe celebra a sexualidade de Troye, que aparece de várias metáfora no vídeo e na música.

“Indestrutível” – Pabllo Vittar

O último single do álbum Vai Passar Mal é o que tem o clipe mais forte e significativo. Todo em preto e branco, o vídeo mostra a homofobia e preconceitos sofridos pelo público LGBTQ+ no Brasil. Logo no começo já vemos a informação de que “73% dos jovens LGBTQ+ no Brasil são vítimas de bullying e violência nas escolas”.

“Crayons” – CupcakKe

Considerada hino gay para muitas pessoas, “Crayons” tem uma letra forte de aceitação. CupcakKe canta “Man got a man, that’s what’s up! (that’s what’s up!)/Love is love, who give a fuck? (give a fuck!)/Girl on girl, they like yup”. O clipe mostra dois homens andando de mãos dadas, até que são confrontados por um outro homem sobre a sua sexualidade. A partir daí, um grupo chega para defende-los, até virar uma festa comandada pela rapper.

“Sanctify” – Years & Years

O vídeo mostra Olly Alexander, vocalista do Years & Years, como um androide que se junta aos humanos para liberta-los dos ideais e de quem são. Em uma entrevista, Olly disse que a ideia de escrever a música veio após ter encontros com homens héteros confusos. “É estranho porque quase me vi tendo esses encontros com caras heterossexuais e me colocando nesse papel de santo e pecador, ou como anjo e diabo, mas também estou ajudando a satisfazer o desejo sexual que eles sentem que não podem receber em nenhum outro lugar. É estranho ter esse dilema, e então pensei, “vou escrever uma música sobre isso!”, disse.

Você pode ouvir outras músicas na playlist do Tracklist no Spotify:

Comentários

Mais lidas
Alguns direitos reservados / 2013 - 2017.
Desenvolvido por Lucas Mantoani.