Com apenas duas décadas de idade, Lorde mobilizou a indústria fonográfica ao longo da última semana com a chegada de seu mais novo trabalho de estúdio, “Melodrama”. E não inesperadamente, o álbum largou com grandes números comerciais e assim garantiu a liderança nos Estados Unidos e em várias outras paradas mundiais.

Com a mesma intensidade, o Royal Blood impactou a tabela britânica de discos com o seu título de retorno ao meio musical, “How Did We Get So Dark?”. Três anos após dar início à carreira com seu projeto homônimo de estreia no topo, o duo reafirma a sua popularidade local e supera os demais lançamentos da semana.

Não é apenas um novo álbum que se torna líder no Reino Unido, mas também um novo single. Em suporte ao incêndio na Grenfell Tower, em Londres, foi gravada uma nova versão de “Bridge Over Troubled Water” com a participação de diversos artistas britânicos, garantindo o primeiro lugar da lista com menos de 48 horas disponível e desbancando “Despacito”, parceria de Luis Fonsi e Daddy Yankee com Justin Bieber, depois de seis atualizações no topo.

BILLBOARD
ESTADOS UNIDOS

“Despacito”, hit latino dos porto-riquenhos Luis Fonsi e Daddy Yankee e remixado com a participação especial de Justin Bieber, já é o grande sucesso do verão norte-americano. A canção comanda a parada americana de singles pela sétima atualização consecutiva com aproximadamente 139 mil downloads, 66,6 milhões de streams e uma audiência de 134 milhões de pontos em airplay.

Enquanto isso, DJ Khaled continua colecionando os sucessos de seu mais novo disco, “Grateful”. Depois de chegar ao topo com “I’m The One”, agora na vice-liderança da lista, o americano emplaca mais um single entre as dez primeiras posições da Billboard Hot 100: “Wild Thoughts”, faixa produzida em colaboração com Rihanna e Bryson Tiller que abre diretamente na quarta colocação.

O single acumulou 89 mil vendas digitais, 36,3 milhões de audições em plataformas de streaming e foi reproduzida 42 milhões de vezes nas rádios americanas ao longo da última semana, superando nomes como Ed Sheeran, Kendrick Lamar e Future no processo. Sendo assim, a música marca a 31ª aparição de Rihanna entre os dez primeiros postos da tabela e aproxima a cantora das marcas conquistadas por Madonna (38 faixas) e pelos Beatles (34 faixas).

Na oitava posição, “Congratulations” continua conquistando ainda mais espaço na Billboard Hot 100. A parceria de Post Malone com Quavo sobe mais uma casa e alcança um pico inédito na lista com contribuição de seus números em streaming, isolando-se ainda mais como o principal hit da carreira do rapper.

Devido à ascensão da faixa, duas canções eletrônicas são deixadas para trás. São elas “Something Just Like This”, último single do The Chainsmokers em colaboração com o Coldplay que desce para a nona posição, e “Stay”, sucesso de Zedd produzido ao lado de Alessia Cara que se encontra na décima colocação.

Os dez primeiros lugares da Billboard Hot 100 são ocupados pelas seguintes músicas:

1. “Despacito”, Luis Fonsi e Daddy Yankee com Justin Bieber (-)
2. “I’m The One”, DJ Khaled com Justin Bieber, Quavo, Chance The Rapper e Lil Wayne (-)
3. “That’s What I Like”, Bruno Mars (-)
4. “Wild Thoughts”, DJ Khaled com Rihanna e Bryson Tiller (*)
5. “Shape Of You”, Ed Sheeran (4–5)
6. “HUMBLE.”, Kendrick Lamar (5–6)
7. “Mask Off”, Future (6–7)
8. “Congratulations”, Post Malone e Quavo (9–8)
9. “Something Just Like This”, The Chainsmokers e Coldplay (7–9)
10. “Stay”, Zedd e Alessia Cara (8–10)

Há quase quatro anos atrás, Lorde perdeu a liderança da Billboard 200 por pouco com seu álbum de estreia, “Pure Heroine”, alcançando a terceira posição. Entretanto, após se estabelecer como uma das principais representantes do pop na atualidade, a cantora retorna com o seu disco inédito, “Melodrama”, e garante a almejada primeira colocação.

O trabalho reuniu o equivalente à cerca de 109 mil unidades vendidas em sua semana de abertura nos Estados Unidos — um número que apesar de suficiente para conferir à neozelandesa o topo da tabela americana pela primeira vez, é inferior ao percentual inicial de seu antecessor, que chegou à marca de 129 mil cópias comercializadas.

Sendo assim, Lorde dá continuidade à série de álbuns femininos no topo da Billboard 200, que nas duas últimas semanas foi ocupado por “Witness”, de Katy Perry, e “Hopeless Fountain Kingdom”, de Halsey. A última vez que três trabalhos gravados por mulheres assumiram a liderança da parada consecutivamente foi em dezembro de 2012, quando Taylor Swift, Alicia Keys e Rihanna lançaram “Red”, “Girl On Fire” e “Unapologetic”, respectivamente.

A concorrência de Lorde entre os principais lançamentos da última semana também garantiu estreias positivas na tabela. Por apenas três mil cópias vendidas de diferença, 2 Chainz manteve-se abaixo da cantora e debutou na vice-liderança com seu mais novo disco, “Pretty Girls Like Trap Music”, cuja grande parte dos números foi contabilizada a partir de streams.

Contudo, o georgiano não foi o único nome do rap a aparecer entre as posições de destaque da parada. Além dos já consolidados últimos projetos de Kendrick Lamar e Drake, o rapper Young Thug aparece na oitava colocação com a sua recém-lançada mixtape, “Beautiful Thugger Girls”.

A diferença entre os gêneros musicais é o principal destaque entre as estreias dessa semana. Enquanto o novo projeto conjunto de Jason Isbell com o grupo The 400, “The Nashville Sound”, representa o country e o novo álbum de estúdio do Nickelback, “Feed The Machine”, é o principal lançamento de rock, há ainda espaço para “Crack-Up”, último título do Fleet Foxes, emergir no nono lugar.

Os dez álbuns melhor colocados na mais recente atualização da Billboard 200 são:

1. “Melodrama”, Lorde (*)
2. “Pretty Girls Like Trap Music”, 2 Chainz (*)
3. “DAMN.”, Kendrick Lamar (2–3)
4. “The Nashville Sound”, Jason Isbell e The 400 (*)
5. “Feed The Machine”, Nickelback (*)
6. “More Life”, Drake (5–6)
7. “÷”, Ed Sheeran (6–7)
8. “Beautiful Thugger Girls”, Young Thug (*)
9. “Crack-Up”, Fleet Foxes (*)
10. “24K Magic”, Bruno Mars (8–10)

OFFICIAL CHARTS
REINO UNIDO

O incêndio na Grenfell Tower, em Londres, que deixou 79 mortos em meados desse mês, mobilizou artistas britânicos como Stormzy, Emeli Sandé, Robbie Williams, Paloma Faith e tantos outros para uma regravação especial de “Bridge Over Troubled Water”, canção originalmente lançada por Simon & Garfunkel em 1970. E com seus fundos voltados para as famílias das vítimas e para a caridade, o cover conseguiu debutar no topo da tabela apenas 48 horas após ser disponibilizado.

A faixa obteve 170 mil unidades vendidas através de downloads e streams, tendo a segunda melhor estreia do ano (atrás apenas de “Shape Of You”, de Ed Sheeran, com 226 mil cópias em seu lançamento) e o melhor dia de abertura da década, superando “Hello”, de Adele.

Sendo assim, o single beneficente expulsa “Despacito”, colaboração de Luis Fonsi e Daddy Yankee com o cantor canadense Justin Bieber, da liderança do Official Charts após seis semanas consecutivas. É esperado, porém, que a faixa consiga retomar sua antiga colocação ao longo das próximas atualizações por conta de seus constantes índices de vendagem no Reino Unido.

Na terceira posição, encontra-se ainda outro lançamento entre os dez singles melhor colocados. Trata-se da mais recente parceria de DJ Khaled com Rihanna e Bryson Tiller, “Wild Thoughts”, que assim como nos Estados Unidos, também debuta em destaque na terra da Rainha e posiciona-se à frente de sua antecessora, “I’m The One”, atualmente no nono lugar.

A última novidade pelas colocações de destaque da tabela britânica é “Power”, mais recente música de trabalho do Little Mix regravada com a participação do rapper Stormzy. A canção escalou três degraus em direção ao décimo posto da tabela — seu novo pico pelo Reino Unido — , tornando-se o 11º single da girlband entre os dez melhor posicionados em sua terra natal.

Confira como ficam ocupadas as dez primeiras colocações da parada britânica de singles:

1. “Bridge Over Troubled Water”, Artists For Grenfell (*)
2. “Despacito”, Luis Fonsi e Daddy Yankee com Justin Bieber (1–2)
3. “Wild Thoughts”, DJ Khaled com Rihanna e Bryson Tiller (*)
4. “Strip That Down”, Liam Payne e Quavo (-)
5. “Unforgettable”, French Montana e Swae Lee (3–5)
6. “Mama”, Jonas Blue e William Singe (-)
7. “One Last Time”, Ariana Grande (2–7)
8. “2U”, David Guetta e Justin Bieber (5–8)
9. “I’m The One”, DJ Khaled com Justin Bieber, Quavo, Chance The Rapper e Lil Wayne (7–9)
10. “Power”, Little Mix e Stormzy (13–10)

Vale ressaltar que a tabela britânica de singles sofrerá mudanças a partir de sua próxima atualização. Por conta dos estrondosos lançamentos em massa de nomes como Ed Sheeran, Drake, Kendrick Lamar, The Chainsmokers, Little Mix, The Weeknd e Stormzy, serão permitidos apenas os três principais singles de cada artista na lista a fim de garantir espaço para novos talentos e hits pelo Reino Unido (leia mais detalhes sobre o novo regulamento aqui, em inglês).

Há quase três anos, o Royal Blood impressionava o cenário britânico ao debutar seu primeiro álbum de estúdio no topo do Official Charts. Agora sob o status de um dos principais nomes do rock e uma das grandes revelações musicais do Reino Unido, o duo de Brighton retorna à liderança com o seu novo título, “How Did We Get So Dark?”.

O grupo, que celebrou a conquista diretamente do palco principal do maior festival de entretenimento do mundo, o Glastonbury, conseguiu superar Ed Sheeran ao acumular quase 22 mil unidades comercializadas a mais que o cantor e superar os percentuais obtidos com o seu antecessor, lançado em agosto de 2014.

Além da dupla, o Nickelback também estreou em evidência por terras britânicas. O mais novo disco da banda, “Feed The Machine”, alcançou um desempenho ainda melhor do que do outro lado do Atlântico e debutou no terceiro posto da tabela, superando outro lançamento de destaque: “Melodrama”, de Lorde, que aparece apenas na quinta colocação.

A última estreia da semana entre as posições de destaque do Official Charts fica por conta de “Crack-Up”, mais recente trabalho de estúdio do Fleet Foxes. A banda americana de indie folk estreou seu novo projeto no nono lugar, não conseguindo repetir o sucesso de seus dois outros discos mas ainda emergindo com certo brilho.

Tido isso, os dez álbuns de maior destaque comercial pelo Reino Unido são:

1. “How Did We Get So Dark?”, Royal Blood (*)
2. “÷”, Ed Sheeran (-)
3. “Feed The Machine”, Nickelback (*)
4. “Human”, Rag’n’Bone Man (-)
5. “Melodrama”, Lorde (*)
6. “Adiós”, Glen Campbell (3–6)
7. “Truth Is A Beautiful Thing”, London Grammar (1–7)
8. “Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band”, The Beatles (7–8)
9. “Crack-Up”, Fleet Foxes (*)
10. “Lindsey Buckingham/Christine McVie”, Lindsey Buckingham e Christine McVie (5–10)


 

A disputa pela primeira colocação nos Estados Unidos será marcado por dois lançamentos de grande sucesso: “Grateful”, novo trabalho de estúdio de DJ Khaled, e o disco inédito do Imagine Dragons, “Evolve”. Ambos os projetos aproximam-se em questão de vendas físicas e digitais e em streams, o que deve tornar a liderança da próxima atualização da Billboard 200 imprevisível.

Os álbuns também devem colaborar imensamente para o crescimento de seus singles. A banda liderada por Dan Reynolds, por exemplo, deve ver “Believer” alcançar as posições de destaque na parada americana com facilidade, enquanto as duas últimas músicas de trabalho de Khaled, “I’m The One” e “Wild Thoughts”, devem se consolidar ainda mais.

Vale a pena também ressaltar duas reedições de destaque: a versão comemorativa do vigésimo aniversário de “OK Computer”, um dos principais trabalhos do Radiohead que deve voltar à tabela britânica; e o corte estendido de “Purple Rain”, clássico de Prince que tem chances de largar positivamente tanto nos Estados Unidos quanto no Reino Unido.

Comentários

Mais lidas
Alguns direitos reservados / 2013 - 2017.
Desenvolvido por Lucas Mantoani.