in ,

Os 10 melhores álbuns nacionais de 2022 – até agora

Grandes lançamentos marcaram o primeiro semestre do ano; confira seleção do Tracklist

"QVVJFA?", de Baco Exu do Blues, é uma dos melhores álbuns nacionais do primeiro semestre de 2022, de acordo com o Tracklist. Foto: Divulgação

Por Allan César, Anna Sabbatini e Gabriel Haguiô – Metade de 2022 já passou diante dos nossos olhos, e já tivemos diversos motivos para celebrar este ano. Vários lançamentos nacionais marcaram os últimos meses e têm tornado o ano especial para a música brasileira.

Artistas como Gloria Groove, Baco Exu do Blues, Karol Conká e Ludmilla são apenas alguns entre os vários nomes que têm nos presenteado com trabalhos cativantes e surpreendentes, além de revelações, estreias e tantos outros destaques.

Para marcar o meio do ano, o Tracklist fez uma lista para relembrar os 10 melhores álbuns nacionais de 2022 até agora! Em um ano de tantos sucessos e novidades, vamos relembrar quais foram os melhores discos do primeiro semestre?

Observação: a lista foi definida a partir dos seguintes critérios: opinião dos redatores e da equipe do Tracklist; e opinião da crítica especializada.

Confira os 10 melhores álbuns nacionais do primeiro semestre de 2022

10º – “Acorda, Pedrinho” – Jovem Dionísio

Para além da faixa-título que tomou conta da internet nos últimos tempos, a banda Jovem Dionísio traz outras 12 canções no disco “Acorda, Pedrinho”, lançado em março, que caíram no gosto do público. A banda curitibana, que já possui uma discografia de qualidade, rompeu a bolha das redes sociais e já contabilizou 45 milhões de streams no Spotify.

Uma das principais características do atual trabalho é o ritmo dançante. Não à toa, as produções audiovisuais que remontam paródias de boybands (como em “Não Foi Por Mal”), trazendo o bom humor típico do grupo.


9º – “Sobre Viver” – Criolo

Sutil e agressivo, Criolo trouxe em “Sobre Viver” a dualidade que marca sua carreira: a capacidade de trazer, de forma poética, composições que relatam problemas sociais. “Pretos Ganhando Dinheiro Incomoda Demais” é uma amostra desse talento, um ponto fora da curva em um álbum que mistura sons típicos da tropicália ao hip-hip e R&B.

A diversidade é a palavra-chave para esse álbum, lançado em maio e que conta com nomes como Tropkillaz, MC Hariel, Liniker, Mayra Andrade, além de um dos maiores nomes da música brasileira: Milton Nascimento. Definitivamente um projeto necessário em 2022, capaz de reunir todos os gêneros e públicos.


8º – “Pra Gente Acordar” – Gilsons

Nos últimos anos, o Gilsons, grupo formado José Gil, Francisco Gil e João Gil – respectivamente filho e netos de Gilberto Gil -, tem conquistado notoriedade na música nacional desde o lançamento do EP “Várias Queixas”, em 2019. Entretanto, a chegada de seu disco de estreia, “Pra Gente Acordar”, em fevereiro, firma o trio como uma das grandes revelações da música nacional nos últimos anos, com um trabalho que já é uma das grandes surpresas de 2022.


7º – “Gêmeos” – Terno Rei

Três anos após o excelente “Violeta”, Terno Rei relembra os motivos de ser considerada uma das principais bandas do cenário alternativo no Brasil atualmente. O lançamento de “Gêmeos”, em março, elevou o patamar do grupo paulistano repetindo a mesma qualidade de produção e composição para quem já ama faixas como “Yoko”, “Solidão de Volta” e “Dia Lindo”.

Dias da Juventude”, lead single do quarto álbum da discografia, é o exemplo da proposta conceitual em “Gêmeos”. Nostálgico e harmônico (e particularmente mais animado), o disco, um dos melhores álbuns nacionais do primeiro semestre de 2022, parece contar uma história só, com faixas interligadas entre si que fazem 35 minutos passar correndo.


6º – “FÚRIA” – Urias

Grande nome da comunidade LGBTQIA+ dos últimos anos, Urias lançou em janeiro o seu tão aguardado primeiro disco de estúdio, “FÚRIA“. Divido em duas partes, o trabalho foi o primeiro disco de uma cantora negra transexual a alcançar o topo do iTunes Brasil.

Descrito pela própria como um disco de libertação, o material traz colaborações de nomes que vão de Hodari até Monna Brutal, e explora gêneros que vão do reggaeton ao R&B.


5º – “Mil Coisas Invisíveis” – Tim Bernardes

Tim Bernardes tem sido um dos grandes nomes da música nacional desde a última década, tanto com O Terno quanto em sua carreira solo. Desde o lançamento de seu primeiro disco individual, “Recomeçar”, em 2017, o cantor elevou seu patamar e se consolidou entre um dos maiores compositores brasileiros da atualidade, colaborando com alguns de seus ídolos e recebendo o prestígio de demais artistas, fãs e da mídia.

“Mil Coisas Invisíveis”, seu segundo disco solo, lançado em junho, confirma a grandeza do atual momento de Tim, com canções que discorrem sobre a vida e o amadurecimento, refletem sobre suas relações e emoções e destacam os principais talento do artista, tanto nos vocais hipnotizantes quanto em suas letras cativantes.


4º – “Numanice #2” – Ludmilla

A primeira edição de “Numanice” foi uma das grandes novidades da música brasileira em seu lançamento. O álbum de pagode da Ludmilla foi um verdadeiro sucesso pelo país em 2020, e em janeiro, ganhou um sucessor à altura das expectativas dos fãs.

Com novas músicas e performances, “Numanice #2”, lançado em janeiro, consolida um momento inédito na carreira da cantora, arriscando-se em novos estilos e surpreendendo a todos com o seu talento em cada faixa, desde as canções mais sofridas até as letras mais apaixonadas. Não à toa é um dos melhores álbuns nacionais de 2022 até agora.


3º – “Urucum” – Karol Conká

Primeiro trabalho de Karol Conká após sua experiência no BBB 21, “Urucum” veio ao mundo em março e age como uma espécie de cura para a cantora. Com 11 faixas, senda a maioria produzida pelo produtor baiano RDD, o projeto possui uma sonoridade afro-futurista e explora habilidades vocais até então nunca mostradas pela artista.

Amplas percepções acerca do reality show são exploradas, proporcionando um material coeso, plural e muito diferente do que a rapper já apresentou em sua discografia.


2º – “QVVJFA?” – Baco Exu do Blues

“Quantas Vezes Você Já Foi Amado?”, também chamado de “QVVJFA?“, de Baco Exu do Blues, foi lançado em janeiro e é um dos discos mais falados do ano. O material bateu mais de 2 milhões de reproduções nas primeiras 48 horas e teve todas as 12 faixas no Top 200 do Spotify Brasil. Foi a primeira vez que o rapper conseguiu tal feito.

Um material profundo e íntimo, ”QVVJFA?” aborda temos que vão da autoestima do homem negro até intolerância religiosa. O trabalho, um dos melhores álbuns nacionais do primeiro semestre de 2022, ainda traz parcerias com Gloria Groove e Muse Maya, além de possuir samples de Gal Costa e Vinicius de Moraes.


1º – “LADY LESTE” – Gloria Groove

A estreia definitiva de um álbum de Gloria Groove já era aguardada há tempos pelos fãs, mas “LADY LESTE” conseguiu superar todas as expectativas. Em seu primeiro disco de estúdio, lançado em fevereiro, a cantora nos entregou um trabalho de sucessos, festa e, principalmente, muito talento para dar o maior passo de sua carreira até então.

A obra não só é uma homenagem às suas origens, representando o funk com canções como “SFM” e “Vermelho”, mas também destaca a versatilidade da artista em diferentes ritmos para imaginar a sua música. Com parcerias com Marina Sena, MC Hariel, Tasha & Tracie, Priscilla Alcantara, Sorriso Maroto e MC Tchelinho, “Lady Leste” é um disco surpreendente, envolvente e viciante para todos públicos, tantos os fãs mais antigos quanto os mais novos.


O que achou da lista? Concorda com a seleção dos melhores álbuns nacionais de 2022 até agora? Comente e acompanhe o Tracklist no Twitter, Instagram e TikTok, e veja o restante do nosso especial do semestre:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

GIPHY App Key not set. Please check settings

    Loading…

    0