Letters To My Senator

Taylor Swift: entenda porque Scott Borchetta proibiu show no AMAs

Taylor Swift, Scott Borchetta e Big Machine Records. Infelizmente, parece que a “novela” entre esses três […]

Por em 15 de novembro de 2019

*Essa notícia recebeu uma atualização às 11h42 e 12h56 de 15/11, com a resposta da Big Machine Records e Scott Borchetta sobre a nota de Taylor Swift.

Taylor Swift, Scott Borchetta e Big Machine Records. Infelizmente, parece que a “novela” entre esses três ainda vai durar. Isso porque, Taylor revelou, nesta quinta (14/11), que está sendo impedida de cantar suas músicas no AMAs 2019.

A história é a seguinte: em julho, a Big Machine Records, ex-gravadora de Taylor Swift, foi vendida a Scooter Braun. Com a marca, foi todo o catálogo da americana, que deixou de ser dona das suas próprias músicas.

Taylor só poderá recuperar seus direitos sobre as faixas em novembro de 2020, quando o contrato com a Big Machine permite a regravação das músicas.

Na época do anúncio do negócio, Taylor desabafou sobre essa perda do seu trabalho. Relembre no nosso post: Taylor Swift X Scooter Braun? Vem entender toda essa briga.

Pois bem. O problema é que agora, além de não possuir seu trabalho, Taylor está sendo impedida de tocá-lo ao vivo. Foi que a cantora revelou em uma carta aberta direcionada aos fãs.

Taylor Swift, Scott Borchetta e o AMAs

Taylor Swift será homenageada no American Music Awards 2019 como a Artista da Década. O plano era fazer um medley dos seus maiores sucessos durante o evento, em comemoração ao prêmio.

Mas segundo a artista, a performance do dia 24 de novembro está sendo barrada por Scott Borchetta. Pior: Taylor estaria sendo ameaçada por Borchetta.

É simples: se ela se mantiver “dentro da linha”, poderá utilizar as músicas. Se não, terá que esperar até 2020.

Veja a tradução do post da cantora abaixo.

Eu não sei mais o que fazer

Pessoal, foi anunciado recentemente que o American Music Awards vai me homenagear com o prêmio de Artista da Década na cerimônia deste ano. Eu tenho planejado cantar um medley dos meus hits nessa década no show.

Scott Borchetta e Scooter Braun disseram agora que eu não tenho permissão para cantar minhas músicas antigas na televisão porque eles fazem que isso seria regravar minhas músicas antes do período que eu vou poder fazer isso no próximo ano.

Além disso – e não era essa forma que eu queria contar a notícia para vocês – a Netflix está criando um documentário sobre minha vida nos últimos anos.

Scott e Scooter negaram permissão do uso das minhas músicas antigas e gravações anteriores para esse projeto, mesmo que não haja menção deles ou da Big Machine Records em lugar algum do filme.

Scott Borchetta disse à minha equipe que eles vão permitir que eu use minhas músicas apenas se eu fizer o seguinte: se eu concordar em não regravar minhas músicas no próximo ano (coisa que estou permitida a fazer legalmente e planejo fazer) e também disse a minha equipe que eu pare de falar sobre ele e o Scooter Braun.

Eu acredito que compartilhando o que está acontecendo comigo possa mudar a compreensão sobre o que pode acontecer com outros artistas e potencialmente evitar um destino semelhante. A mensagem enviada a mim é muito clara. Basicamente, seja uma boa menina e fique calada. Ou você será punida.

Isso é ERRADO. Nenhum desses homens teve parte na composição dessas músicas. Eles não fizeram nada para criar a relação que tenho com meus fãs. Então aqui é onde eu peço ajuda para vocês.

Por favor, façam que Scott Borchetta e Scooter Braun saibam como vocês se sentem sobre isso. Scooter também cuida de diversos artistas que eu acredito que também se importam com outros artistas e seus trabalhos. Por favor peçam que eles ajudem com isso – eu espero que, talvez, eles possam colocar alguma razão na mente desses homens que estão controlando de forma tirana uma pessoa que apenas quer cantar as músicas que ela escreveu.

Eu estou pedindo também ajuda em especial ao The Carlyle Group, que financiou a compra da minha música por esses homens.

Eu só quero poder cantar MINHA PRÓPRIA música. É isso. Eu tenho tentado resolver isso de maneira privada com minha equipe mas não consegui solucionar nada. Agora, minha performance no AMAs, o documentário da Netflix e outros eventos gravados que eu planejo fazer até novembro de 2020 são um grande ponto de interrogação.

Eu amo vocês e eu acho que vocês deveriam saber o que está acontecendo.

Taylor

Fãs responderam ao pedido de Taylor

Como explicado por Taylor Swift, de acordo com a proposta de Borchetta, ela só poderá utilizar suas antigas músicas (em performances gravadas) após novembro de 2020. Mas esse prazo está bem longe do que ela deseja, que é ter direito à própria música.

Por isso, a americana solicitou a mobilização dos fãs nas redes sociais, para tentar fazer com que Scooter Braun, Scott Borchetta e a Big Machine Records mudem de ideia.

Não apenas com relação à apresentação no AMAs, mas também sobre o ainda não lançado documentário da Netflix.

E os fãs responderam ao chamado! Tanto que uma série de tags relacionadas à Taylor Swift tomaram o Twitter nessa quinta.

“Taylor Swift”, “The Man” (música em que a cantora fala sobre o machismo) e “Scott Borchetta” foram outras das tags que entraram nos assuntos mais comentados do Twitter.

E então, o que você acha de toda essa polêmica? O que Taylor Swift poderia fazer para contornar esse problema e recuperar o direito às suas músicas?

*ATUALIZAÇÃO

Nessa sexta-feira (15/11), a Big Machine Records divulgou uma nota sobre a declaração de Taylor. Segundo o pronunciamento, as informações dadas pela americana seriam falsas.

Em seguida à nota da Big Machine, Tree Paine, relações públicas de Taylor Swift, divulgou um comunicado defendendo a cantora e sua declaração.


Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!