A segunda-feira pós-Lollapalooza, 27 de março, foi marcada por mais shows das Lolla Parties, oportunidade para quem não conseguiu ver as atrações no festival ou para quem ainda tinha pique mesmo após a maratona de dois dias. Nós nos encaixamos na última opção e fomos conferire Glass Animals, no Cine Joia.

O repórter que vos escreve não viu os shows de ambos no Lolla e, talvez por isso, a surpresa foi maior. A curadoria conseguiu um feito difícil de ser alcançado: agradar dois públicos diferentes e levar para o mesmo palco duas apresentações que se completam.

Foto: Mateus Lucena

Com atraso de alguns minutos, o Glass Animals foi ao primeiro a subir no palco. Sob gritos, o quarteto inglês iniciou o show com “Life Itself”, do recente álbum “How To Be A Human Being” (2016). o repertório se misturou com canções do último e do primeiro disco, “ZABA” (2014).

A apresentação foi marcada pela energia e sintonia instrumental de Dave Bayley (voz, guitarra e pandeiro), Drew MacFarlane (guitarra e teclado), Edmund Irwin-Singer (baixo e teclado) e Joe Seaward (bateria). Eles se olhavam, dançavam juntos e se aproximavam do público, principalmente o vocalista Dave, como não poderia ser diferente. Por diversas vezes ele chegou a ir para o meio da plateia para cantar junto aos fãs, como se estivesse entre amigos.

Foto: Mateus Lucena

A suavidade da voz de Dave e o som marcante foram muito bem executados ao vivo em canções como “Popular St”, “The Other Side Of Paradise” e “Cane Shuga”, diferente do Lollapalooza – como falado aqui. “Gooey”, a música mais conhecida também foi a mais cantada. A contagiante “Park Soda” marcou a despedida do Glass Animals do público brasileiro com muitos aplausos.

Uma publicação compartilhada por Portal Tracklist (@portaltracklist) em


O que mais chamou atenção é que tanto os integrantes do grupo quanto os espectadores presentes sentiram o ritmo de cada canção e dançaram todas elas, cada um da sua forma. E o mesmo aconteceu na apresentação da , que subiu ao palco logo em seguida.

Foto: Mateus Lucena

A cantora dinamarquesa é mais conhecida pelos hits em parceria com o Major Lazer, mas os seus fãs conheciam todo o seu repertório. Entre singles, faixas do primeiro álbum e parcerias, MØ mesclou canções com pegadas mais elétricas, como “Don’t Wanna Dance” e “Kamikaze”, com as mais lentas, como “Slow Love” e “One More”. Durante toda a apresentação, a cantora mostrou o seu grande potencial vocal – que merece bem mais reconhecimento -, acompanhada da qualidade inquestionável de sua banda, que explorava cada elemento das músicas ao vivo, com destaque para “Pilgrim”.

Mø agora no palco do Cine Joia!

Uma publicação compartilhada por Portal Tracklist (@portaltracklist) em

Foto: Mateus Lucena

A performance de MØ tem como marca instantes em que canta de olhos fechados, como se estivesse interpretando e sentindo a energia, e outros em que canta olhando diretamente para a plateia ou, em vários momentos, em cima dela. Nos solos do instrumental, ela se entrega batendo os cabelos – lembrando um show de rock -, pulando e se jogando no chão.

Mø cantando Cold Water ontem em SP!

Uma publicação compartilhada por Portal Tracklist (@portaltracklist) em

Voz e guitarra trouxeram um trecho de “Cold Water” (ft. com Major Lazer e Justin Bieber). O recente single “Final Song” foi muito cantado e aclamado no fim do show, o que deixa claro que MØ tem potencial para seguir no sucesso e com ainda mais qualidade em seu próximo álbum. “Lean On” encerrou o setlist com MØ agradecendo muito São Paulo, como gritou em todo o show.

Uma publicação compartilhada por Portal Tracklist (@portaltracklist) em

Foto: Mateus Lucena

Como aconteceu no Glass Animals, o público pareceu se sentir contagiado pela energia dos artistas e representado pela diversão, proximidade – permitida pelo espaço – e entrega deles no palco, sem brechas para ninguém ficar parado. Confira as nossas fotos da noite:

 

Fotos: Mateus Lucena

 

 

 

 

Comentários

Alguns direitos reservados / 2013 - 2017.
Desenvolvido por Lucas Mantoani.