Taylor Swift aborda política em “Only The Young”, música de seu documentário

Como sabemos, Taylor Swift lançará um documentário, no fim deste mês. E mais do que isso, […]

Por em 21 de janeiro de 2020

Como sabemos, Taylor Swift lançará um documentário, no fim deste mês. E mais do que isso, o documentário revelará uma nova música da cantora! A faixa se chama “Only The Young“, e trata sobre a política dos Estados Unidos, mais especificamente de Tennessee, estado em que nasceu.

Em entrevista para a revista Variety, Taylor explicou que a música foi escrita após as eleições locais, em 2018. Ela apoiou alguns candidatos que concorriam ao senado e governo. Mas, mesmo com campanha de seus fãs, seus candidatos não venceram.

Eu vi a esperança de muitos jovens se esvair. E eu achei que isso era particularmente trágico, porque os jovens são as pessoas que vão sofrer as piores consequências da violência por armas de fogo, dívidas estudantis e tentar descobrir como vão começar as suas vidas e como pagar o seu estudo, da mudança climática e será que vamos entrar em uma guerra — todas estas situações horrorosas em que nos encontramos agora“, diz a cantora.

Taylor Swift Variety Cover Story Sundance
Reprodução / Variety

Os candidatos apoiados por Taylor Swift apoiavam as causas da comunidade LGBT e das mulheres. Mas, a cantora explicou o motivo de não ter incluído “Only The Young” no álbum “Lover”.

Eu fiquei bem chateada por Tennessee ter ido na direção em que foi, obviamente. Então eu só queria escrever uma música sobre isso. Não sabia onde ia terminar. Mas achava que seria melhor que ela fosse lançada quando, talvez, pudesse botar um pouco de lenha na fogueira e engajar os jovens a terem o seu próprio ponto de vista, se afastar do seu grupo e não achar que precisam votar da mesma maneira que as pessoas da sua cidade estão votando“.

A música foi co-escrita por Joel Little, que já produziu outras faixas de Taylor, como em “You Need To Calm Down” e “ME!”.

“Há muitas coisas nada fofas nesse documentário”, diz Taylor Swift sobre “Miss Americana”

O documentário sobre Taylor Swift trará assuntos polêmicos e embaraçosos, que já aconteceram na carreira da cantora.

Além de mostrar Taylor como artista, o projeto também revelará o lado ativista da cantora, e como ela se posicionou diante de fatos que marcaram sua trajetória.

Taylor Swift Variety Cover Story Sundance
Reprodução / Variety

Um deles é de como uma crítica fez com ela melhorasse seu trabalho, ainda quando estava no começo de sua carreira.

Quando adolescente, eu estava apenas na música country, participando da minha primeira premiação pop. Alguém se levantou e me enviou a mensagem: ‘Você não é respeitado aqui. Você não deveria estar aqui neste palco. Essa mensagem foi recebida e se afundou na minha psique mais do que se sabia. … Isso pode levar você a uma de duas maneiras: eu poderia ter me enrolado e decidido que nunca mais voltaria a um desses eventos, ou isso poderia me fazer trabalhar mais do que alguém espera e tentar coisas que ninguém esperava, e conseguir esse respeito – e espero que um dia eu consiga“, disse.

Taylor Swift Variety Cover Story Sundance
Reprodução / Variety

Taylor tocou no delicado assunto do câncer de sua mãe, Andrea. A cantora afirmou que está tudo bem, mas prefere não ficar muitos meses longe de casa enquanto toca sua turnê. Ela também afirmou a vontade de fazer shows em festivais.

Sinto que não toco em festivais desde o início da minha carreira – eles são divertidos e aproximam as pessoas de uma maneira muito legal. Mas eu também queria poder trabalhar o tanto que eu aguentar agora, com tudo o que está acontecendo em casa. E eu queria descobrir um jeito de fazer as duas coisas“.

Todos os detalhes serão finalmente mostrados no documentário “Miss Americana”, que estreia em 31 de janeiro na Netflix.


Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!