5 de outubro de 2018 por Sandro Luiz.

Resultado de imagem para não para não pabllo vittar

A pressão pelo segundo trabalho aparentemente não intimidou Pabllo Vittar, muito pelo contrário: Extraiu toda a força e competência dela como artista e cantora. Intitulado “Não Para Não“, o novo disco foi lançado ontem (04) e já podemos dizer que é um dos melhores lançamentos do cenário musical brasileiro e ainda fará muito barulho. Em pouco mais de 26 minutos de duração ao longo de 10 faixas, Pabllo reafirma as razões pelas quais é uma das maiores artistas do nosso país. Confira abaixo nossa análise sobre a nova bíblia do brega pop:

 

Buzina: Recebemos passe-livre de Pabllo para embarcarmos numa festa ao som do envolvente brega com batidas viciantes e um refrão explosivo. Não temos dúvida, “Buzina” vai estourar e tem potencial suficiente para ser hit do nosso próximo carnaval. Basta esperar! “Preste atenção no poder da tentação e da buzina quando toca fazendo sair do chão“, pede Pabllo.

Seu Crime: Produzida por Diplo e Afrobeat, a faixa explora a região mais grave da voz de Pabllo em uma faixa sobre abrir mão de tudo por um grande amor, e no fim das contas decepcionar-se. A melodia também moldada no gênero brega e influências upbeat fazem lembrar do repertório de bandas conhecidas do gênero como Calcinha Preta.

Problema Seu: O carro-chefe do disco soa como uma resposta ao boy lixo da faixa anterior, mostrando uma Pabllo disposta a superá-lo fervendo na pista (aquelas). A musica vem carregada de influências do tecno-brega e um refrão contagiante. O clipe é um dos melhores de Pabllo:

Disk Me: Ainda usando o brega como pano de fundo, mas dessa vez em uma balada sobre indignação, Pabllo Vittar canta sobre um cara que só se importa com ela depois de uns gorós. Mais uma vez ela explora novas texturas mais suaves de sua voz. O clipe da música foi lançado ainda hoje (05). Confira abaixo esse belíssimo trabalho:

Não Vou Deitar: Pabllo deixa claro de uma vez por todas que não quer mais nada com o boy. Ao contrário da anterior, aqui ela está numa vibe mais festeira e positiva num belo Forró. Ótima candidata para single.

Ouro (ft. Urias): A faixa abre a sequência de parcerias do álbum. Nesta, Pabllo e Urias esbanjam elegância em uma música sobre orgulho de tudo o que até aqui foi conquistado, mesmo com tantas dificuldades.

Trago seu Amor de Volta (ft. Dilsinho): Extremamente boa e surpreendente, a parceria entre Pabllo e Dilsinho é um dos grandes destaques do álbum, trazendo um axé com traços pop em uma faixa cativante sobre reencontrar a pessoa amada mesmo depois de idas e vindas. o Arranjo é o grande destaque da faixa casando a rica melodia com instrumentos afro-brasileiros que são características do poderoso Axé da Bahia.

Vai Embora (ft. Ludmilla): Unindo suas influências do nordeste com o trap de Ludmilla, “Vai Embora” é um pouco aquém do esperado, porém tem uma qualidade indiscutível unindo a bagagem sonora das vocalistas em uma letra sobre dispensar um cara que fica implorando pra voltar. É o “IDGAF” brasileiro.

No Hablo Español: Uma das melhores faixas do álbum com influências da musica latina. A faixa é pura tiração de sarro por sua falta de habilidade ao falar o idioma, sugerindo ser melhor em linguagem corporal enquanto esbanja sensualidade.

Miragem: A última faixa do álbum fecha também com a pegada sofrência que é a base do disco, em uma letra que poderíamos considerar a “Perfect Illusion” brasileira ou então o “Não era amor, era cilada” dessa década. Apesar de não ter a mesma força que as demais faixas, é um ótimo trabalho que cumpre bem seu papel.

CONCLUSÃO: Não Para Não” sem dúvidas supera as expectativas de todos que estavam ansiosos pelo retorno de Pabllo. Esbanja elegância e qualidade, utilizando novas regiões de sua extensão vocal e trazendo suas raízes nordestinas com louvor. É sem sombra de dúvidas um grande lançamento nesse ano. Apesar de algumas pequenas falhas, o disco é um marco e explora o melhor de Pabllo Vittar.

Nota: 9,8/10 

Comentários

Mais lidas
Alguns direitos reservados / 2013 - 2017.
Desenvolvido por Lucas Mantoani.