Nesse final de semana bati um papo com o rapper Ben James. O cara ainda não é conhecido no nosso pedaço, mas promete atrair a atenção do público pela diversidade do seu trabalho que envolve colaborações diversificadas e agora por ter colaborado com 1/5 da girlband mais famosa da atualidade.

O multifacetado jovem de New Jersey compartilhou um pouco de sua carreira, sua visão no uso da plataforma que artistas têm e também falou sobre o seu trabalho mais recente.

Confira a entrevista:

Você se importaria em se apresentar e nos contar um pouco sobre quando comecou a sua carreira?
Claro! Bem, primeiramente meu nome é Benjamin James. A maioria das pessoas me chamam Ben James. Eu nasci em Setembro de 1998 e eu sou um verdadeiro virginiano. Há oito anos atrás eu escrevi meu primeiro rap, então aos 10 anos de idade iniciei minha carreira. Eu sempre segui dessa forma, focado e consistente nos meus objetivos. Muitas crianças praticam esportes durante suas vidas e não aspiram em se tornarem profissionais por conta do fator comercial que acaba tornando isso praticamente imposível. Todos os dias eu olhava além daquilo.

Eu fiz uma pesquisa sobre a sua carreira e eu vi que escolheu a indústria da música e ser um artista, primeiro por causa da influência que teve dentro de casa, mas também por conta da resposta positiva que recebia daqueles que ouviam suas músicas. O que foi determinante para que focasse exclusivamente na sua arte ao invés de outra carreira?
Bom, quando era mais novo, época de ensino fundamental ou algo assim, eu sempre saia com as crianças mais velhas. Isso me deu um pouco de ideia do que ia acontecendo quado você cresce. Eu os via indo para a faculdade ou atrás de uma mesa de escritório sem aproveitar as suas vidas. Talvez porque eles não correram atrás de suas paixões ou então estavam vivendo o sonho de seus pais. Eu nunca quis terminar daquele jeito. O medo de falhar me mantém determinado em momentos de queda. Enquanto crescia, me sentava para assistir videos dos meus rappers favoritos se apresentando e vivendo suas vidas ajudando outros. Isso abriu os meus olhos para o que é mais importante e o que se conecta comigo.

Você tinha algum plano B ou a música era a sua única opção?
Eu sou daqueles que realmente acredita que você pode fazer o que quiser se for esperto e colocar energia suficiente nisso. Eu nunca vi ser bem sucedido na indústria da música como algo impossível. Eu simplesmente coloquei a minha mente nisso. Eu continuo indo bem na escola porque elá me mantem preparado pra todas as áreas da minha vida.

Com que idade comecou a compor e quem gravou as suas músicas?
Eu comecei a compor muito cedo. Na realidade eu comecei tudo muito cedo. Compondo, cantando, fazendo rap, produzindo (a mim e outras pessoas) etc. Por volta dos meus 16-17 anos eu senti que havia adquirido as habilidades que me colocam na posição em que estou com a minha música neste momento.

Cantores de Hip Hop frequentemente usam suas letras para falar sobre o que está acontecendo na sociedade e também criticar o sistema. Como um artista de Pop/Hip Hop, como você balança essas cargas que recebe e as expectativas que são criadas quando se encaixa nesse ou naquele mercado?
Como um criador e artista, é segunda natureza usar a sua plataforma para expressar as suas visões em diferentes pontos ou perspectivas políticas. Eu sinto que um verdadeiro artista não se comprometerá com os padrões da sociedade para se tornar mais “popular” em um determinado momento. Como eu balanço isso?cBem, eu simplesmente sou eu. Muitos artistas não sabem quem eles são e fingem ser o seu artista favorito ou alguém que os influencie, o que é ok. Mas ao longo do caminho é importante se encontrar e se tornar a sua própria identidade.

Qual é a principal mensagem que você quer transmitir com a sua música?
Eu quero ser seu amigo, quem você pode ouvir e se identificar. Quando você der play na música, você deve sentir que eu estou falando diretamente com você ou em sua mente.

Vamos falar do seu trabalho mais recente. “Strangers” foi lançada há alguns dias e hoje é o lançamento do videoclipe. A letra foi inspirada em algo que você viveu?
De alguma forma, sim. Eu me inspirei no conceito do meu primeiro dia na escola esse ano e quantos estranhos nós encontrados todos os dias. Alguns de nós podem ser muito tímidos para falar com alguém que não conhecemos. Essa música é para aqueles que vivem conversando nas suas cabeças.

Você produziu esta faixa? Quem trabalhou nela com você? A música foi lançada como single, mas ela fará parte de um álbum ou EP?
Eu produzi vocalmente, mas não criei a batida. Para essa música eu trabalhei mais em mim mesmo. Mixei, masterizei, escrevi, cantei e fiz o rap. Strangers é uma faixa de seis singles que serão lançados durante os próximos meses, que farão parte de um EP para o iTunes.

Essa semana você postou uma foto com a cantora e compositora Dinah Jane, integrante do Fifth Harmony. Como vocês se conheceram e acabaram trabalhando juntos? Qual foi o papel dela nesse processo? Poderia nos dar uma ideia de como tudo aconteceu e o que os Fãs do Fifth Harmony podem esperar dessa colaboração?
Sim, a Dinah é incrível. Meu co-empresário costumava produzir ela vocalmente e nós estavamos em Nova York ao mesmo tempo. Eu estava gravando uma música com Fuego (novo artista do Pitbull) e o meu empresário mandou uma mensagem pra ela. Depois disso é história. A sessão foi muito organica e nós curtimos o momento. Ela cantou e escreveu um hook para a música. Eu estou muito animado para lançar essa música, provavelmente no verão.

ben_dinah

 

Confira o clipe de Strangers:

COMPARTILHE
Artista do mês Adele
Alguns direitos reservados / 2013 - 2016.
Desenvolvido por Lucas Mantoani.