6 de outubro de 2019 por Luciana Lino.

Depois de tocar em São Paulo, na última sexta (4), o Black Eyed Peas entregou um show extremamente enérgico no Rock in Rio 2019. A apresentação teve pontos altos, como a identificação imediata do grupo com o público brasileiro; a voz potente da cantora Jessica Reynoso – que tem assumido os vocais de Fergie nos shows do grupo; feat com Anitta; e até mesmo uma polêmica mal interpretada envolvendo o presidente Jair Bolsonaro.

O show, que relembrou a década de 2000 por si só, foi marcado por momentos intensos. Relembre seis deles:

Foto: Wesley Allen/I Hate Flash

Melhores momentos do show do Black Eyed Peas

1) Músicas clássicas

O Black Eyed Peas foi um dos grupos de maior sucesso dos anos 2000. Suas músicas estouravam nas rádios e programas de TV em uma época em que o acesso ao YouTube e ao streaming não era tão difundido quanto hoje,

Visivelmente, o público do Rock in Rio deste sábado acompanhou todas as fases do grupo – desde a explosão mundial com o álbum “Elephunk”, de 2003, que consagrou hits como “Where Is The Love?” e “Shut Up”, até o último bando lançado em 2010, “The Beggining”, que consagrou o hit “The Time (Dirty Bit)”, uma releitura do clássico do filme “Dirty Dancing”, “(I’ve Had) The Time Of My Life”, de Bill Medley e Jennifer Warnes.

E o setlist não economizou nos grandes sucessos comerciais que consagraram a banda. Basta ver a primeira sequência arrebatadora da apresentação. Recheada de hits, a sucessão foi entoada a plenos pulmões, mãos para cima e muito, mas muitos pulos: “Let’s Get It Started”, “Imma Be”, “Rock That Body”, “Boom Boom Pow” e “Pump It”.

A identificação entre os brasileiros com o Black Eyed Peas não é de agora. Particularmente, já era esperada – mas não da forma intensa como foi. Foi bonito ver que, mesmo após quase 10 anos desde seu último lançamento, o grupo tenha conseguido levantar o público de forma massiva e explosiva. O vídeo de “Let’s Get It Started” fala por si só:

2) Simpatia dos membros

O versátil will.i.am foi o primeiro artista a cantar na tirolesa do Rock in Rio 2019 – algo que Jared Leto fez nas duas apresentações do 30 Seconds to Mars no festival, em 2013 e em 2017. Logo na primeira faixa, “Let’s Get It Started”, o vocalista chamou atenção e concentrou todos os olhares para cima do brinquedo – e arrancou o êxtase do público. Por momentos, não cansou de dizer que amava o Brasil, embora tenha falado mais em espanhol do que em português. Ah: guarde esta informação, pois será útil em um momento a ser relembrado logo mais.

will.i.am na tirolesa. Foto: Wesley Allen/I Hate Flash

Taboo e apl.de.ap também fizeram as honras e agradeceram à oportunidade de tocar no país, após a última apresentação no finado festival SWU, em 2011. Taboo, inclusive, dedicou o momento para enaltecer e abraçar a causa indígena.

Mas, entre todos os membros, notoriamente quem mais se destacou foi…

3) Jessica Reynoso

A filipina tem assumido uma difícil posição: adotar os vocais que pertenciam à Fergie. Mas cumpriu redondamente sua função: demonstrou simpatia, foi receptiva com o público e alcançou boas notas.

Quem não sabia que Fergie havia se afastado do Black Eyed Peas, não entendeu a presença de Jessica de início. Mas a ótima colocação da cantora, descoberta pelo programa The Voice Filipinas – no qual apl.de.ap era jurado -, fez com que o público a acolhesse.

4) Feat com Anitta

Como já era de se esperar, Anitta subiu ao palco do show do Black Eyed Peas para cantar a nova parceria entre ambos, “eXplosion”, lançada há poucos dias. Mas a cantora pegou o público de surpresa ao cantar a consagrada “Don’t Lie” – que, até o show de São Paulo, a banda não cantava ao vivo desde 2010. Sua boa desenvoltura rendeu elogios, embora que as duas faixas não tenham atingido o ápice do público, como estava no início do show.

Foto: Marques/I Hate Flash

5) Carreira solo do will.i.am

No meio da apresentação, will.i.am atacou de DJ e apresentou alguns sets de sua carreira solo. “OMG”, parceria com Usher de 2010, e “Scream & Shout”, com Britney Spears em 2013, foram as canções mais entoadas deste repetório específico.

6) Polêmica envolvendo Bolsonaro

Falando em will.i.am, vamos voltar ao segundo fato, “Simpatia dos membros”. E voltaremos à seguinte frase: “Por momentos, não cansou de dizer que amava o Brasil, embora tenha falado mais em espanhol do que em português”.

Antes de apresentar “Where Is The Love?”, mais ao final do show, will.i.am falou que amava coisas específicas no Brasil. Frisou o próprio país, frisou a feijoada… e frisou a bossa nova. O que, até então, parece inocente.

Porém, seu sotaque carregadíssimo, mais puxado para o espanhol, deu margem à dupla interpretação. Ao invés de “bossa nova” – realmente um clássico da cultura brasileira -, parte do público entendeu “Bolsonaro”, referente ao presidente Jair Bolsonaro. E começaram a vaiar e a puxar um coro contra o presidente. O vocalista não entendeu e tentou se explicar, achando que as vaias eram referentes à “bossa nova”: “Eu amo Tom Jobim e Sérgio Mendes”, disse, antes de começar a cantar “Where Is The Love?”, que deu uma apaziguada no protesto. Os feats com Anitta e a clássica “I Gotta Feeling” vieram em seguida para encerrar a apresentação.

A gente só espera que alguém tenha explicado o mal entendido para ele após o show. Porque, de fato, a apresentação do Black Eyed Peas no Rock in Rio 2019 foi muito intensa – para banda e público – para encerrar com essa interpretação dúbia.

Resumo do show do Black Eyed Peas

Para os espectadores que já acompanhavam Black Eyed Peas no auge da carreira deles, ou para quem pelo menos sempre ouvia as músicas pelo rádio ou pela televisão, o show foi como voltar há, no mínimo, 10 anos. O Rock in Rio 2019 se transformou em uma verdadeira festa dos anos 2000 – afinal, o Black Eyed Peas foi um dos principais, senão o principal, grupos de pop de sua geração.

Tracklist no Rock in Rio

Tracklist está fazendo uma megacobertura do festival. Fique de olho no nosso site, no Instagram e no nosso Twitter!

Comentários

Mais lidas
Alguns direitos reservados / 2013 - 2017.
Desenvolvido por Lucas Mantoani.