Após quatro anos do lançamento de seu álbum “What’s Inside: Songs from Waitress”, Sara Bareilles retorna com um trabalho maduro, passional e talvez o seu melhor álbum até a presente data. Intitulado “Amidst the Chaos“, o sexto álbum de estúdio da cantora pode ser facilmente interpretado como uma narrativa de desamores e relações conflituosas entre ela e seu amado, mas não é o que parece. A própria ressaltou que o colapso político após a vitória de Donald Trump nos Estados Unidos serviu de pano de fundo para o processo de criação do disco. A presença de elementos de cordas como o violão, ukulelê, piano, bandolim e a participação de John Legend na última faixa e Emily King como backing vocal em algumas faixas complementam um cenário íntimo e orgânico, nos transportando o mais próximo possível de sua vulnerabilidade ao longo de 12 belas canções e suas narrativas. O disco é inteiramente composto pela cantora com a ajuda de Emily King, Aaron Sterling, Lori McKenna e Justin Tranter em algumas faixas. A produção geral é de T. Bone Burnett. Confira nosso faixa a faixa sobre este grande lançamento:

1- Fire

A primeira faixa do álbum foi lançada como o seu segundo single em 15 de fevereiro deste ano e relata o fim de um relacionamento que já estava destinado a não dar certo. Uma relação criada em torno de um potencial idealizado de um sobre o outro e ambos sabiam que estavam se enganando. A famosa tragédia anunciada. A faixa tem um arranjo delicado trazendo a voz de Bareilles guiada apenas por violão e a bateria que aparece no refrão. confira o lindo clipe da faixa logo abaixo:

2- No Such Thing

A segunda faixa do álbum é uma ode a Barack Obama. Em tom mais orgânico que a primeira, seguindo com o piano e bandolim intercalado, Bareilles canta sobre sentir-se desprotegida e insegura sem este alguém em quem ela confiava. Em minha opinião, é a melhor faixa do disco em questão de produção. Os elementos do arranjo somam lindamente ao vocal sutil e compenetrado da cantora e conseguem facilmente tocar o ouvinte e passar a emoção necessária que a letra exige.

3- Armor

O primeiro single do álbum saiu em um momento delicado e totalmente necessário. “Armor” é sobre a sororidade e incentiva mulheres a apoiarem umas as outras em meio às injustiças cometidas contra elas. Sara comentou que a música também tem como inspiração o movimento “#MeToo” ocorrido no final de 2017 e mobilizou o mundo inteiro onde mulheres protestaram contra a violência sexual O clipe foi lançado em 7 de fevereiro deste ano e é um dos melhores da carreira da cantora. Confira:

4- If I Can’t Have You

Analisando friamente, a letra mostra Bareilles em um estado melancólico despedindo-se de seu amado, mas mais uma vez ela lamenta o rompimento com os Obama e a saída deles da Casa Branca, agradecendo pelo árduo trabalho e competência de seu ex presidente, como disse a mesma enquanto se apresentava em concerto no The Troubadour em Los Angeles.

5- Eyes on You

A quinta faixa do álbum traz um pouco das influências do rock dos anos 60. A letra da música é sobre ter esperança e surgiu após uma experiência pessoal de Bareilles que ao fim de 2016 falou abertamente sobre seus problemas com ansiedade e depressão. Ao longo da faixa, ela cita várias pessoas em diferentes cenários de vida e diz que apesar de tudo, a vida não para e ela segue esperançosa de que dias melhores virão. A faixa extrai o melhor de seus vocais, em notas graves e agudas em pré-refrão e no refrão, respectivamente.

6- Miss Simone

Aqui, Bareilles canta sobre belos momentos que viveu com seu namorado embalados pela grandiosa cantora Nina Simone, grande inspiração artística da cantora. A faixa é a mais suave do disco e descreve algumas situações entre Bareilles com seu amado enquanto cita referências a algumas músicas de Nina Simone como a canção “Put a Little Sugar In My Bowl”.

7- Wicked Love

a sétima faixa do álbum é um dos seus grandes destaques. “Wicked Love” foi, segundo Bareilles, uma das últimas faixas a serem incluídas no disco. Ela disse “Eu fui inspirada por um memorando de voz que encontrei por acaso em meu telefone e foi uma das adições finais ao disco, escrito apenas alguns dias antes de eu sair para LA para começar a gravar! Bem na hora!”. A faixa traz uma progressão de acordes emocionante enquanto cresce para o refrão e fala sobre um relacionamento onde ela se sente aprisionada.

8- Orpheus

Descrita pela cantora como “minha oração pelo mundo agora”, a oitava faixa do disco é também a sua favorita. uma melodia sutil embalada por um violão ao fundo, Bareilles quer confortar o ouvinte e pede “Não pare de tentar me encontrar aqui no meio do caos. Embora eu saiba que é cegante, há uma saída“. Uma linda canção.

9- Poetry by Dead Men

Outro destaque do disco, “Poetry by Dead Men” é sobre o atual namorado de Bareilles, com quem quase rompeu por este não se sentir pronto para amar. Ela inclusive brinca no primeiro verso “No momento em que ouvir isso, eu estarei em seu espelho retrovisor”. A faixa traz uma sensação nostálgica por conter influências do Soul e do soft rock dos anos 60 e 70.

10- Someone Who Loves Me

Definitivamente uma das letras mais lindas do álbum, a décima faixa fala sobre depressão e seu crucial momento em que a cantora permite que seu amado cuide dela em seus momentos mais sombrios. Voltando aos tons suaves do disco, os vocais de Bareilles são guiados apenas por violão em baixo acústico.

11- Saint Honesty

Gravada inteiramente ao vivo, a penúltima faixa do disco é sobre vulnerabilidade e o quão libertador pode ser a verdade. Possui uma atmosfera com influências Soul e nuances gospel. Bareilles trabalha com a metáfora de uma casa com janelas e portas abertas enquanto uma tempestade cai, mas ela se mostra despreocupada em se proteger e apenas celebra este momento como uma cura.

12- A Safe Place to Land (Feat. John Legend)

A única parceria do álbum não poderia ser melhor. Bareilles e Legend fecham com maestria o disco unindo seus vocais em uma linda balada que possui uma mensagem forte e importante. “A Safe Place to Land” é inspirada na separação das famílias imigrantes na fronteira do México com os Estados Unidos. Eles demonstram empatia e oferecem ajuda e amor para estas pessoas que estão no escuro e solitárias.

CONCLUSÃO

Amidst the Chaos” é, sem sombra de dúvidas, um dos melhores discos lançados esse ano. Sara Bareilles nos deu um trabalho honesto, plural e totalmente importante, levando mensagens de esperança e força para os que precisam atualmente. Numa realidade tão conturbada como a dos dias contemporâneos, o disco tenta resgatar a humanidade do ouvinte e fazê-lo entender que nada está perdido. De um repertório de fantasias e sonhos para um trabalho tão maduro e encorajador, Sara Bareilles nos presenteia com o melhor disco de sua carreira, até agora.

NOTA: 10/10

Destaques: “Fire”, “No Such Thing”, “Armor” e “Saint Honesty”

Ouça o disco e conta pra gente, o que você achou deste novo trabalho da cantora? Comenta aí.

Comentários

Mais lidas
Alguns direitos reservados / 2013 - 2017.
Desenvolvido por Lucas Mantoani.