4 de setembro de 2019 por Mariana Moreira.

Conheça Limonge, cantor independente Paulista.

Recentemente o cara conversou com o Portal Tracklist e falou sobre sua carreira, DVD gravado recentemente e deu alguns detalhes sobre sua turnê que se inicia no final de Setembro.

Com muito tempo na estrada, em 2016 Limonge lançou seu primeiro álbum de estúdio, que foi idealizado de forma independente em seu home studio. Além de compor para “É a Nossa Vez (Éramos Nós, Sempre Seremos)”, o cara também mixou e produziu as 11 faixas. No ano seguinte, com o lançamento do álbum autobiográfico “Nem Todos São Como Astronautas”, o artista se tornou das apostas da música independente


Tracklist: Você acabou de anunciar a turnê “Sobre Viver”. O que o seus fãs podem esperar desses shows?

Limonge: Eles podem esperar uma experiência parecida com a do DVD. Eu quero recriar o que foi feito na gravação. A turnê leva o mesmo nome do DVD e meu interesse é levar isso pra todos eles. Talvez será necessária uma readaptação por causa de espaço e tempo, mas a maioria das músicas que o pessoal gosta estarão presentes. Para uma experiência complementar, penso em adicionar algumas músicas diferentes na setlist, porque aí, aqueles que forem em mais de uma apresentação vão ver algo diferente.

Track: Você demonstra ter uma conexão muito forte com seus fãs. Como é essa relação pra você?

Limonge: Então, eles montaram a setlist comigo. Uma premissa que eu tenho como artista é valorizar as pessoas que me acompanham. Funciona num sistema de co-criação. Costumo dizer que o Limonge não sou eu, Limonge somos nós.

Track: Na gravação do DVD, houveram algumas participações especiais. Existem planos para trazer esse pessoal para os seus shows?

Limonge: Se as agendas permitirem, eu pretendo sim. Acredito que dois dos quatro, eu consiga. Não em todos os shows, mas o que eu puder levar que for mais próximo do DVD, é o que vou fazer e espero que em breve tenhamos um panorama de como será. Quero levar um show grande para a estrada!

Track: Bom, recentemente você fez a gravação do DVD “Sobre Viver”. Esse formato perdeu sua popularidade devido às plataformas de streaming online e o YouTube. A realização desse projeto foi uma demanda que veio dos seus fãs?

Limonge: Exatamente! Foi algo que eles sempre me cobraram, porque eles queriam um registro ao vivo. A demanda do material partiu deles. Apesar de não ser tão atrativo, ainda tem aqueles que compram esse tipo de trabalho. Além disso, o DVD ficará disponível na internet e aí, aqueles que comprarem a versão física, encontrarão alguns “extras”. Eu precisava muito desse tipo de conteúdo, porque gosto das coisas que são orgânicas e pra mim, as músicas tomaram um peso maior, ganharam um novo significado nesse registro.

Track: No ano de 2015 você lançou um EP, em 2016 e 2017 foram lançados dois álbuns. O que aconteceu nesse intervalo entre 2018 até o início de 2019? Foi um período de reflexão e composição…? Foi um descanso?

Limonge: Engraçado, porque não havia parado para pensar nesse hiato. Acho que foi um tempo de auto conhecimento. Os dois primeiros álbuns nasceram de uma forma visceral. Haviam coisas que eu precisava botar pra fora. O primeiro foi um experimento, quase como um tiro no escuro porque escrevi tudo, toquei tudo e dentro do meu quarto. O segundo partiu de pedidos do pessoal que me acompanha. Os fãs que bancaram essa aventura e por isso procurei alguém que pudesse me ajudar, então nesse modelo novo o álbum foi produzido em estúdio, com outros músicos… Esse álbum fala muito sobre depressão, que é algo que eu tenho que lidar. E aí, em 2018 foi um ano que compus muito, refleti bastante sobre a minha carreira. Vivi um período nostálgico, mas de fortalecimento. Ser artista independente é complicado, porque você precisa de outras fontes de renda e me questionei se valia a pena seguir nesse caminho ou o que deveria fazer…

Nesse período, um grupo de fãs começou a me cobrar coisas novas, mas de forma incentivadora. Durante essa pausa, foi a época que meu público cresceu mais, porque esses que já me acompanhavam divulgaram ainda mais o meu trabalho, o que foi muito legal. E como acredito que faço música para as pessoas e não pra mim, pude ver que meu trabalho estava fazendo diferença na vida das pessoas e isso me deixou pronto para revisitar o meu passado, encerrar um ciclo e partir para um novo momento. O ano de 2018 foi necessário para me entender como artista e as minhas expectativas em relação ao mundo. Hoje entendo que tudo que faço é por amor e não esperando retorno disso. Ah, em 2020 vem coisa nova também!

A gente só pode desejar muita sorte para o Limonge nessa nova empreitada. Para mais detalhes da turnê “Sobre Viver” acesse o site do cantor

E se você sofre com depressão, ansiedade, sozinho, perdido… Não se esqueça que nós estamos aqui pra vocês! Você é necessário! ♥

Comentários

Mais lidas
Alguns direitos reservados / 2013 - 2017.
Desenvolvido por Lucas Mantoani.