BEYONCÉ

BEYONCÉ: 5 feitos de um álbum divisor de águas para a indústria

Na madrugada do dia 13 de dezembro de 2013, o mundo recebia em primeira mão um […]

Por em 14 de dezembro de 2020

Na madrugada do dia 13 de dezembro de 2013, o mundo recebia em primeira mão um surpreendente álbum que ditaria a forma de fazer música. Atualmente, o BEYONCÉ continua sendo uma grande fórmula para a indústria e um dos maiores feitos da carreira de Beyoncé.

Suprise!”. Foi assim que a artista norte-americana anunciou para o público em suas redes sociais o lançamento de um álbum surpresa, que possui 17 faixas, mais a produção de 17 videoclipes que acompanham cada canção.

Entretanto, o impacto do disco vai além de um caloroso e inesperado lançamento. Afinal, o BEYONCÉ com o passar do tempo acabou se tornando um marco para a indústria, redefinindo os modos de produzir música e disco.

A seguir, relembre 5 grandes feitos do álbum que fez história na carreira da artista.

BEYONCÉ
Foto: Divulgação

1. BEYONCÉ: um lançamento surpresa

Após o fim da era ‘4’, muitos não imaginavam que o retorno da intérprete de Run The World poderia tão cedo acontecer, principalmente pela forma como sucedeu.

Assim, com apenas dois posts de divulgação em suas redes, nascia para o conhecimento do público o quinto álbum da artista. Em um redemoinho de surpresas que agitava as pessoas, o BEYONCÉ fazia sua estreia brilhantemente.

Em um encontro voltado para discutir sobre o novo disco, a artista indagou em suas falas o medo da experiência de produzir um projeto com tamanha precisão. Além disso, expôs suas reações após o incrível resultado obtido pelo público na recepção do BEYONCÉ.

Enquanto o lançamento surpreendia as pessoas e as levava a ouvirem a obra criada secretamente pela cantora, a indústria musical sentia o impacto de mais um trabalho bem pensado e impecável de Beyoncé.

2. Recordes de vendas no iTunes

Lançado exclusivamente na plataforma de música da Apple, o novo álbum da texana atingia mais uma grande conquista em tempo recorde. Em três dias, o seu novo disco vendeu mais de 617.213 unidades nos Estados Unidos, bem como as 828.773 cópias no mundo todo.

Sendo assim, BEYONCÉ registrava mais um feito em um grande e invejável currículo. O projeto quebrava todos os recordes de vendas da loja digital em uma primeira semana, gerando dessa forma uma nova maneira de consumir músicas.

o álbum BEYONCÉ em drunk in love
Foto: reprodução/Youtube

Por sinal, naquela época. ninguém havia vendido como ela em tão pouco tempo. Em apenas três horas, o retorno da diva já acumulava 80 mil cópias vendidas, e no mundo o disco se tornava nº1 em 100 países.

Conforme a alta demanda, BEYONCÉ configurava-se no topo da lista da Billboard, debutando em #1 nos charts americanos e emplacando a primeira posição em sua carreira pela quinta vez.

3. Um projeto visual

Em uma continuação emblemática do seu projeto, Beyoncé apostou todas as suas fichas em uma nova ideia e exploração artística. Embora não fosse comum e nem mesmo o ideal, caso as expectativas do disco não fossem atingidas, o lançamento sequencial de clipes para cada música de um álbum foi uma inovação criada pela própria, e se destacou positivamente.

Ao passo em que entregava múltiplos conteúdos, o disco visual da cantora surgia para remarcar a veracidade contida em seu perfeccionismo e qualidade. Com isso, em meio a 17 videoclipes, todos pertencentes a uma faixa do álbum, Beyoncé constrói uma estratégia que futuramente será adotada por diversos outros artistas, somando a mais uma de suas tendências.

Os clipes gravados vão desde a face da arte plástica na canção Haunted, passando por um dia divertido e repleto de sorrisos em XO, até uma caseira e simbólica representação da cultura brasileira juntamente com uma dedicatória a sua filha em Blue.

4. Mudança na indústria definida pelo BEYONCÉ

A influência gerada pelo BEYONCÉ foi tão absurda que a data de lançamento de qualquer projeto foi definida a partir do anúncio surpresa do seu quinto álbum.

Ou seja, lançado em uma madrugada de quinta para sexta, o disco rematou incontáveis feitos, especialmente no impacto que a indústria musical obteve.

De acordo com o IFPI (Federação Internacional da Indústria Fonográfica), todos os trabalhos deverão ser lançados em um mesmo dia da semana em todo o mundo. Logo, igualmente realizado na data do lançamento do álbum visual da cantora. Segundo uma pesquisa, o público costuma ouvir música nos dias de sexta e sábado.

álbum BEYONCÉ em jealous
Foto: reprodução/Youtube

Além disso, a razão do BEYONCÉ ser lançado primeiro digitalmente, e somente após 11 dias haver suas vendas físicas, foi também um fator discutido pela IFPI, que afirma essa mudança como método de frear a pirataria.

Segundo a federação, a pirataria acontece quando os álbuns ainda estão em andamento para os seus lançamentos, bem como quando são disponibilizados primeiramente em um país e depois nos restantes.

5. O melhor disco de 2013

Em sua tradicional lista de fim de ano para os melhores álbuns do ano, a Billboard elegia em 2013 o surpreendente e fenomenal BEYONCÉ como melhor disco de 2013.

Para um período curto de avaliação, o novo disco da cantora alcançava êxitos antes nunca imaginados. Assim, em sua própria crítica, o veículo enaltece a rapidez de um projeto ousado se destacar com tamanha velocidade por todos.

Sério, quem não está louco de amor por Beyoncé agora? Faz menos de uma semana desde que seu quinto álbum solo caiu de pára-quedas, sem aviso, na loja do iTunes na calada da noite, deixando fãs e críticos maravilhados com a coragem da jogada – um superstar lançando seu produto sem promoção. Isso poderia ter sido um grande fracasso. Mas não era.

Desse modo, nessas alturas, o BEYONCÉ já se encontrava imerso em meio a elogios e aclamação mundial. Longe da célebre maneira de se trabalhar na indústria musical, Beyoncé Knowles reinventava o sistema cultura da música e ditava – sem intenção – os próximos passos musicais a serem seguidos.

Conta para gente qual sua faixa favorita do BEYONCÉ lá nas nossas redes sociais!


Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!