31 de janeiro de 2019 por Fernando Marques.

Em menos de 3 meses, o festival Lollapalooza irá chegar, mais uma vez, à América do Sul. Com o prazo apertado, há uma dúvida comum: em qual Lolla devo ir?

Neste post, lhe mostraremos algumas das diferenças entre o Lollapalooza Chile e o Brasil, que foram nossas experiências em 2018. Acompanhe!

Principais diferenças entre o Lolla Brasil e o Lollapalooza Chile

Água gratuita

Uma das principais diferenças entre os dois festivais é a água. A água no Lolla Chile é de graça. Você pode levar sua garrafinha e encher sempre que achar necessário, sem pagar nada a mais por isso. Já no Lolla Brasil, a água é paga.

No Chile, o festival também utiliza copos retornáveis para outras bebidas. Eles custam 1 mil pesos chilenos (cerca de 6 reais), e você usa para tomar tudo. No final do dia, você ainda pode devolver o copo à organização e receber seus 1 mil pesos de volta (só que o copo é tão bonito que eu mesmo não devolvi).

Já no Brasil, se você quiser um copo do Lolla, terá de comprar uma Budweiser por 10 reais. Eu não bebo, então esperei meu amigo beber muito pra pedir um copo pra ele. O que é chato, pois se eu quiser só o copo, eles não vendem.

Localização

A localização do Lolla Chile é muito mais acessível se comparado ao Brasil. Chegar no Autódromo de Interlagos de carro é quase impossível, e o metrô não fica tão próximo do autódromo. Já no Chile, há uma estação literalmente na entrada principal do festival. Por ser no centro da cidade, a locomoção de carro também é muito mais fácil, mesmo com toda a galera se movendo junto.

Parque vs. Autódromo

O Parque O’Higgins, que recebe o Lolla Chile, é totalmente plano e 80% gramado. Então, é bem fácil se locomover lá dentro. E, apesar de o parque ser bem grande, as caminhadas não cansam.

Além disso, o palco Perry fica na Arena Movistar, algo ótimo para dar uma descansada na sombra e no ar condicionado.

Foto: Daniel Rodriguez
Foto: Juan Francisco Lizama
Foto: Daniel Rodriguez

Já o Autódromo de Interlagos é, sem dúvida, o local mais apropriado para receber o Lolla Brasil. Eu nem mesmo consigo pensar em outro local em SP com a capacidade de receber tanta gente. Se locomover dentro do autódromo é tranquilo, mesmo com várias subidas e descidas, e palcos com distância de 2 km um do outro. Cansar é inevitável. Em todo o caso, o problema mesmo é chegar ao autódromo. O resto, a gente administra,

Wi-fi grátis

Zona de Wi-Fi grátis? Sim, isso existe, mas só no Lolla Chile (e Argentina). Nosso Brasil ainda não aderiu à moda. Porém, existe essa expectativa para 2019, principalmente se for por meio de ativações de patrocinadores. Só esperamos que, se o Brasil incluir mesmo essa zona de Wi-Fi, não seja necessária fila pra utilizar. Como ainda não aconteceu, ponto para o Chile.

Foto: Daniel Rodriguez

Esses são os principais pontos que diferem o Lolla Chile do festival no Brasil. São pontos importantes, que esperamos que o Lolla Brasil melhore para as próximas edições. Afinal, comodidade nunca é demais, não é mesmo?

Agora, fica a seu critério a escolha sobre qual edição ir — ou, quem sabe, a oportunidade de comparecer nos dois países?

Confira um vídeo rápido da nossa experiência no Lolla Chile:

Leia também:
Novos talentos que você precisa conhecer no Lollapalooza 2019

Comentários

Mais lidas
Alguns direitos reservados / 2013 - 2017.
Desenvolvido por Lucas Mantoani.