1 ano de Super Bowl LIV: 3 curiosidades sobre a apresentação

A apresentação de Shakira e Jennifer Lopez entrou para a história, se tornando um dos shows mais marcantes do Super Bowl

Por em 2 de fevereiro de 2021

Hoje (2), além de ser o aniversário de 44 anos de Shakira, marca 1 ano do show inesquecível da cantora com Jennifer Lopez no intervalo do Super Bowl LIV. Sim, Shakira comemorou seu aniversário entregando tudo no evento esportivo mais assistido dos Estados Unidos.

Apresentação de Shakira e J-Lo no intervalo do Super Bowl LIV.

Outra artista que participou da final do campeonato da NFL em 2020 foi Demi Lovato, que ficou encarregada de cantar o hino nacional americano na cerimônia.

Em comemoração ao aniversário de 1 ano da performance, separamos 3 curiosidades sobre a apresentação.

Miami, a cultura latina e Donald Trump

O Super Bowl LIV aconteceu em Miami, cidade conhecida como “capital da América Latina”, portanto nada mais justo que a escolha de duas cantoras latinas para a apresentação do intervalo.

Antes de Shakira e J-Lo, a única artista latina a ser headliner do show era Gloria Estefan, que se apresentou no Super Bowl XXVI em 1992 e XXXIII em 1999.

Performance de Gloria Estefan no Super Bowl XXXIII.

Durante a performance, o momento de maior representatividade latina foi na apresentação de Let’s Get Loud, da Jennifer Lopez. A cantora convidou sua filha de 11 anos, Emme, para cantar seu hit, acompanhada por um coral infantil.

Let’s Get Loud/Born in the USA no Super Bowl LIV.

Logo em seguida, Jennifer apareceu com um casaco que estampava a bandeira de Porto Rico e dos Estados Unidos juntas gritando “Latinos!”, e Emme emendou rapidamente um trecho de Born in the USA, de Bruce Springsteen.

A música, que repete inúmeras vezes o trecho “Eu nasci nos Estados Unidos”, foi perfeitamente escolhida de acordo com o momento político dos EUA. Na época, o governo de Donald Trump deportou inúmeros imigrantes latinos do país de forma violenta, chegando até a separar crianças de seus pais.

Videoclipe de Born in the USA.

Influência de Jay-Z no Super Bowl LIV

Após o caso do atleta Colin Kaepernick, uma onda de acusações à NFL ser conivente com racismo vieram à tona. Desde então, muitos artistas começaram a recusar o convite para se apresentarem no evento, além de serem boicotados pelo público. Inclusive, o show de 2019, feito pelo grupo Maroon 5, teve a pior audiência dos últimos 10 anos de Super Bowl.

Apresentação do Maroon 5 no Super Bowl LIII.

Originalmente, Rihanna estava cotada para fazer a apresentação de 2020, mas acabou dizendo não. “É claro [que tem a ver com Kaepernick]. Eu não me atreveria a fazer isso. Pelo quê? Quem se beneficia de tudo aquilo? Não é meu povo. Eu não consigo me vender. Eu não sou uma facilitadora. Existem algumas coisas naquela empresa que eu não concordo de maneira alguma, e eu não estaria disponível para me prestar a esse tipo de serviço”, disse ela ao jornal The Guardian.

Após as acusações, a NFL fechou uma parceria com a produtora de Jay-Z, Roc Nation, na tentativa de melhorar a imagem da liga no país. Com o intuito de ser vista de forma mais humana e preocupada com questões sociais no geral, a apresentação das cantoras latinas em Miami foi a primeira produzida pela empresa.

As artistas não foram pagas pelo show?

Um show de cerca de 15 minutos durante o Super Bowl pode chegar a custar mais de 10 milhões de dólares à NFL. Apesar da liga pagar todas as despesas de produção, eles são conhecidos por não pagar cachê aos artistas que se apresentam.

A audiência do Super Bowl conta com mais de 100 milhões de espectadores, fazendo com que os músicos abram mão do cachê em troca da publicidade. Segundo a revista Forbes, um show no intervalo do evento “é o maior veículo promocional para do planeta”.

E, aparentemente, para Shakira e J-Lo a troca valeu a pena. De acordo com a Nielsen Music, as músicas que elas performaram durante o show apresentaram um aumento de 1,013% nas vendas, além de Shakira receber um aumento de mais de 2.135% no seu single Empire, no Spotify.

Videoclipe de Empire.

Outros exemplos são Justin Timberlake, que aumentou o número de streams em 214% após uma hora da sua apresentação no Super Bowl; Lady Gaga, que subiu 60 posições nas paradas da Billboard, conquistando o segundo lugar; e Beyoncé, que teve um aumento em 100% nas pesquisas online.

Foto: Reprodução.

E aí, qual é a sua apresentação preferida do intervalo do Super Bowl? Conta pra gente nas nossas redes sociais!


Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!